Estudo vincula videogames a agravamento de distúrbios mentais

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011 11:59 BRST
 

Por Frederik Joelving

NOVA YORK (Reuters) - Pode haver problemas por trás dos olhares fixos da garotada que dedica tempo e energia demais aos videogames, afirma um novo e controvertido estudo com crianças da Ásia.

A pesquisa de dois anos envolveu mais de 3 mil crianças em idade escolar em Cingapura e constatou que uma em cada 10 era "viciada" em videogames.

Segundo os pesquisadores, embora parte das crianças pareciam já sofrer de maiores problemas comportamentais, o uso excessivo de videogames aparentemente agravou os distúrbios.

"Quando as crianças se viciam, sua depressão, ansiedade e fobias sociais se agravam", disse Douglas Gentile, diretor do laboratório de pesquisa de mídia da Iowa State University, e participante do estudo.

"Quando elas conseguem superar o vício, sua depressão, ansiedade e fobias sociais melhoram", acrescentou.

Ele afirmou que nem os pais e nem os serviços de saúde estão prestando atenção suficiente para os efeitos dos videogames sobre a saúde mental das crianças.

"Tendemos a abordá-los como entretenimento, como apenas um jogo, e a esquecer que o entretenimento também nos afeta", disse ele à Reuters Health. "De fato, se não nos afeta, o definimos como 'entediante'."

No levantamento, as crianças disseram que jogavam videogame, em média, por 20 horas por semana. Entre 9 e 12 por cento dos meninos foram considerados como viciados pela pesquisa ante 3 a 5 por cento no caso das meninas.   Continuação...