Em um ano, cenário parece mudado para a Microsoft

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011 11:00 BRST
 

Por Bill Rigby

SEATTLE (Reuters) - Há um ano, a Microsoft superou todas as projeções de receita de Wall Street com as vendas explosivas de seu novo sistema operacional Windows 7, e alardeava otimismo sobre a recuperação no investimento em tecnologia.

Esta semana, com ações cotadas um pouco abaixo dos valores do ano passado, a maior produtora mundial de softwares deve reportar lucro mais baixo, em função da queda nas vendas de computadores pessoais, e enfrenta dificuldades para convencer os investidores de sua capacidade de conquistar espaço nos acelerados mercados de celulares e tablets.

"A Microsoft continua a ser um colosso nos computadores, e as máquinas equipadas com Windows continuam a vender mais de 300 milhões de unidades ao ano", disse Tim Bajarin, presidente da Creative Strategies, uma companhia de pesquisa de mercado do setor de tecnologia.

"Mas eles não conseguiram encontrar lugar na revolução dos smartphones, e mesmo que tenham sido os primeiros a defender o tablet, a Apple alterou o conceito do produto e deixou a Microsoft para trás", disse.

A maioria dos investidores antecipa que a empresa tenha registrado um trimestre sólido, mas se preocupa mais com os temores de que o novo Windows para celulares da Microsoft não esteja vendendo bem. E embora aprove a recente decisão de produzir uma versão do Windows para chips ARM, o mercado compreende que não haverá um desafiante acionado pelo Windows para enfrentar o iPad, da Apple, por pelo menos mais dois anos.

"Eu preferiria que eles tivessem realizado a mudança (para o ARM) dois anos atrás, e é algo em que deveriam ter pensado", disse Sid Parakh, analista na McAdams Wright Ragen. "Mas o jogo é longo. A questão passa a ser se o iPad rouba mercado aos produtos existentes da Microsoft ou se é um novo item de gasto no orçamento de eletrônica. Creio que seja um pouco dos dois."

As vendas de computadores pessoais, que representam o melhor guia para a situação geral da Microsoft, subiram em apenas 3,1 por cento no trimestre final de 2010, de acordo com a Gartner. O ano como um todo não confirmou o otimismo inicial, com alta de 13,8 por cento nas vendas de computadores, bem abaixo dos 19,2 por cento previstos pela Gartner no começo do segundo semestre.

De acordo com o Thomson Reuters I/B/E/S, analistas esperam que a Microsoft reporte lucro de 68 centavos de dólar por ação, abaixo dos 74 centavos no mesmo período do ano anterior.