Rede de livrarias Borders pede concordata nos EUA

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011 15:31 BRST
 

Por Phil Wahba e Tom Hals

NOVA YORK/WILMINGTON, Estados Unidos, 16 de fevereiro (Reuters) - A Borders Group fez um pedido de proteção judicial contra falência nesta quarta-feira e afirmou que planeja fechar quase um terço de suas livrarias após anos de vendas fracas que tornaram impossível para a empresa administrar sua dívida.

A esperada concordata da companhia dará à segunda maior rede de livrarias dos Estados Unidos uma chance de arrumar suas finanças e encolher seus negócios em um momento em que os consumidores optam cada vez mais por produtos online. O processo de recuperação judicial pode ajudar a rival maior Barnes & Noble, que também enfrenta dificuldades, por conta da queda no número de lojas rivais.

O presidente da Borders, Mike Edwards, afirmou que a rede "não tem recursos de capital que precisa para ser uma competidora viável". Ele acrescentou que a recuperação judicial é essencial para que a empresa possa reestruturar sua dívida enquanto continua operando.

A Borders, fundada em 1971 como uma pequena rede de livrarias em Ann Arbor, no Estado de Michigan, foi pioneira no conceito de superlojas na década de 1990 junto com a Barns & Noble, mas a empresa enfrentou dificuldades para se adaptar às rápidas mudanças geradas no mercado editorial pelas inovações tecnológicas.

A incapacidade da empresa de montar um negócio online significativo e sua quase ausência no crescente mercado de livros digitais tornou difícil a tarefa de manter o ritmo imposto por Barnes & Noble e pela varejista online Amazon.com.

As vendas da empresa caíram a taxas de dois dígitos percentuais em 2008, 2009 e em cada trimestre de 2010. A companhia teve quatro presidentes-executivos nos últimos três anos e teve dois vice-presidentes financeiros em 2010.

A Borders, que tem um quadro de 6.100 funcionários, opera 508 superlojas com sua marca e uma cadeia de lojas menores chamada Waldenbooks.

A companhia informou que vai fechar cerca de 30 por cento de suas lojas nas próximas semanas. Nos últimos anos, a maior parte dos fechamentos de lojas ocorreu na rede Waldenbooks.

A Borders tinha até 25 de dezembro compromissos que somavam 1,29 bilhão de dólares e ativos de 1,28 bilhão.