Cibercrime custa U$43,5 bilhões por ano à Grã-Bretanha

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011 17:45 BRST
 

Por Michael Holden

LONDRES (Reuters) - O cibercrime custa à economia britânica cerca de 27 bilhões de libras esterlinas (43,5 bilhões de dólares) por ano, de acordo com a primeira estimativa oficial do governo sobre o assunto, publicada nesta quinta-feira.

O estudo feito pelo Departamento de Segurança Cibernética e da Informação da Grã-Bretanha concluiu que os crimes digitais são um problema crescente, que está se espalhando. Outra conclusão foi a de que as tentativas de resolvê-lo foram mal sucedidas devido à falta de compreensão e de visão a respeito de como resolver o problema.

Negócios estão enfrentando o impacto dos custos estimados em 21 bilhões de libras esterlinas. Os setores farmacêutico, biotecnológico, químico e de tecnologia da informação são os mais atingidos.

Já o governo perdeu cerca de 2,2 bilhões de libras esterlinas. O custo imposto aos indivíduos britânicos chegou a 3,1 bilhões de libras esterlinas, reportou o estudo "O custo do cibercrime".

No ano passado, o relatório britânico Estratégias de Segurança Nacional avaliou os ciberataques como uma das maiores ameaças enfrentadas pelo país, ao lado do terrorismo, da guerra e dos desastres naturais.

Agora, a Grã-Bretanha está investindo 650 milhões de libras esterlinas em um novo programa nacional de segurança cibernética.

O relatório afirma que 9,2 bilhões de libras foram perdidas com roubo de propriedade intelectual, 7,6 bilhões por espionagem industrial e 2,2 bilhões por extorsão, com foco em grandes companhias.