Garmin busca novas rotas diante da concorrência dos smartphones

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011 15:29 BRT
 

Por Sayantan Ghosh

BANGALORE, Índia (Reuters) - A Garmin prevê um ano fraco para 2011, mesmo com a busca de novas fontes de receita para contrapor quedas nas vendas de aparelhos de navegação pessoal por satélite.

A fabricante tem perdido espaço para smartphones que oferecem serviços de navegação grátis.

A companhia, que prevê uma queda de 8 a 12 por cento na receita anual, espera que sua crescente presença nos mercados de navegação marinha, aérea e esportiva ajude a alavancar o crescimento futuro, depois que sua investida no mercado de smartphones não vingou no ano passado.

A Garmin, cujos aparelhos de navegação costumavam ser acessórios obrigatórios em carros há pouco tempo, também está forjando parcerias com fabricantes de automóveis, para que os aparelhos sejam integrados aos paineis de carros e caminhões.

"Os negócios que não envolvem aparelhos de navegação geraram cerca de metade do lucro bruto em 2010, então está ficando mais difícil caracterizar a Garmin como empresa de aparelhos para navegação pessoal", afirmou o analista Yais Reiner, da Oppenheimer.

A unidade de aparelhos móveis ou para automóveis, responsável por 66 por cento da receita no quarto trimestre, tem encolhido por mais de dois anos. As projeções da Garmin reproduzem as previsões negativas da rival holandesa TomTom, divulgadas este mês.

Para o ano fiscal de 2011, a Garmin projetou uma receita entre 2,4 bilhões e 2,5 bilhões de dólares. Analistas esperavam receita de 2,53 bilhões. O lucro líquido do terceiro trimestre caiu 52 por cento, para 132,9 milhões.

A receita total caiu 21 por cento para 838 milhões de dólares, com o declínio de 31 por cento na receita da unidade de aparelhos móveis e automotivos. Analistas esperavam receita de 863,5 milhões.