Armas medievais e tecnologia unidas em torneio com catapulta

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011 12:29 BRT
 

CHARLESTON, Carolina do Sul (Reuters) - Em uma combinação de armas do século 12 e tecnologia do século 21, funcionários de uma central de dados do Google dispararam uma arma de madeira, com altura de cerca de dois metros, usando um celular Android e um receptor Bluetooth, no final de semana.

O disparo aconteceu durante o primeiro "concurso de catapultas e assalto a cidadelas", no colégio militar de Charleston.

O trebuchet, uma máquina que opera com o princípio da catapulta, era usado para destruir fortificações, arremessando pedras, material em chamas e carcaças de animais mortos por sobre as muralhas de castelos.

"Eles também lançavam cadáveres", disse Dennis Fallon, diretor de engenharia do The Citadel, um colégio militar que educa cerca de 2,1 mil cadetes, homens e mulheres, enquanto acompanhava os preparativos para a competição.

"Aquilo que os seres humanos realizaram ao longo da história militar nem sempre é motivo de orgulho", disse.

Mais poderoso que as balestas e catapultas dos impérios da antiguidade, o trebuchet usava um longo braço flexível, disparado pela força da gravidade exercida por um contrapeso no extremo oposto, a fim de disparar seu projétil pelo ar.

A competição do sábado fazia parte de um esforço patrocinado pelo Google durante a semana nacional de engenharia, com o objetivo de apoiar os programas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM) nas escolas da região, disseram funcionários locais.

Em novembro de 2009, o presidente norte-americano Barack Obama anunciou um projeto de apoio à STEM para manter os Estados Unidos competitivos em termos de inovação e tecnologia.

"Se não construirmos coisas nos Estados Unidos, jamais teremos nosso dinheiro de volta", disse Fallon. "Não podemos continuar a ser apenas consumidores. Precisamos ser produtores de tecnologia."   Continuação...