Leitura e receita publicitária online superam jornais em papel

segunda-feira, 14 de março de 2011 13:34 BRT
 

NOVA YORK (Reuters) - Pela primeira vez, o número de leitores e a receita publicitária dos sites de notícias superou a dos jornais em papel nos Estados Unidos, segundo uma pesquisa conduzida pelo Pew Research Center.

Segundo o levantamento "State of the News Media", o faturamento da publicidade online nos EUA superou a receita com anúncios de jornais impressos.

O estudo também constatou que mais pessoas, 46 por cento dos norte-americanos entrevistados, disseram obter notícias online pelo menos três vezes por semana, ante 40 por cento que disseram obter notícias dos jornais em papel e dos sites a estes associados.

"A migração para a Web está se acelerando", disse Tom Rosenstiel, diretor do Project for Excellence in Journalism. "A rápida adoção do computador tablet e a expansão do uso dos celulares inteligentes só reforçam essa tendência."

As mais recentes constatações demonstram que os jornais sofreram não apenas com a desaceleração econômica, que levou os anunciantes a fecharem as carteiras, mas com o fato de que mais pessoas optam pela mídia online para obter notícias e informações, e os anunciantes os seguem.

De fato, editoras de jornais como a Gannett, New York Times Co. e McClatchy continuam a reportar declínio em sua receita publicitária, em um período no qual outras mídias, a exemplo da televisão, estão desfrutando de uma recuperação em seu faturamento publicitário.

A receita publicitária dos jornais caiu 46 por cento em quatro anos, e ficou em 22,8 bilhões de dólares em 2010, com 3 bilhões de dólares adicionais em receita publicitária online, de acordo com o relatório.

Enquanto isso, a receita publicitária dos sites de notícias foi de 25,8 bilhões de dólares em 2010, afirma o relatório, mencionando dados do grupo de pesquisa eMarketer.

"Um desafio para as organizações noticiosas é que boa parte dessas verbas publicitárias online, 48 por cento, está relacionada à publicidade vinculada a buscas, e proporção pequena delas se destina às notícias", de acordo com o estudo.