Falta de peças piora e fábricas japonesas cortam produção

terça-feira, 22 de março de 2011 10:57 BRT
 

TÓQUIO (Reuters) - A Sony reduziu a produção em mais cinco fábricas e a Toyota adiou o restabelecimento de suas linhas de montagem, enquanto a cadeia global de peças e produtos começa a sentir o impacto total do catastrófico terremoto no Japão.

As companhias de eletrônicos e automóveis foram as mais prejudicadas pelo desastre japonês. Mas, evidenciando a extensão da crise, a Rio Tinto, segunda maior mineradora do mundo atrás da Vale, alertou que as interrupções na produção são uma ameaça aos seus planos de crescimento.

As mineradoras já enfrentam esperas mais longas por equipamentos essenciais, e o fechamento de fábricas de máquinas pesadas e eletrônicos pode criar pressões adicionais.

"Eu estimo que a situação japonesa afetará as entregas de equipamentos vindos do Japão ..., mas nós estamos bem até agora", disse Mark Cutifani, diretor-executivo da AngloGold Ashanti, ao Reuters Global Mining and Steel Summit nesta terça-feira.

Mais de 10 dias após um terremoto de 9 graus de magnitude e um tsunami de 10 metros de altura no nordeste do Japão, as manufatureiras têm dificuldade para retomar o ritmo de produção. As fábricas lidam com cortes de energia, problemas de infraestrutura e escassez de peças.

Companhias como Apple, General Motors e Nokia já sentem o impacto.

A Toyota, maior montadora de veículos do mundo, disse que todas as 12 linhas de produção japonesas ficarão fechadas pelo menos até sábado e que não há certeza sobre quando elas reabrirão. A produção perdida entre 14 e 26 de março seria algo em torno de 140 mil unidades.

A gigante de eletrônicos Sony disse que mais cinco fábricas foram afetadas pela falta de peças e terão de reduzir a produção até o fim de março, a maioria no centro e no sul do Japão que fabricam câmeras digitais, câmeras de vídeo, televisões e microfones.

Incluindo as duas fábricas que foram apenas parcialmente reabertas na semana passada, 15 das 25 fábricas da Sony no Japão estão prejudicadas. A companhia tem um total de 54 fábricas no mundo todo.

(Por Isabel Reynolds)

 
<p>Controle de Playstation, da Sony, &eacute; visto em uma &aacute;rea devastada pelo terremoto e o tsunami que atingiram o Jap&atilde;o, em Kesennuma. 19/03/2011 REUTERS/Kim Kyung-Hoon</p>