30 de Março de 2011 / às 14:55 / 6 anos atrás

Acesso digital na Índia fica abaixo dos demais países do Bric

Por Kate Holton

LONDRES (Reuters) - A Índia fica abaixo dos demais países do grupo Bric, Brasil, Rússia e China, em seus esforços para ampliar o uso de tecnologias digitais como a Internet e celulares entre seus habitantes, de acordo com um levantamento divulgado nesta quarta-feira.

O Digital Inclusion Index, compilado pela Maplecroft, uma empresa de análise de riscos, classifica a Índia na categoria "risco extremo", o que significa que sua população e economia estão sendo sufocadas pela falta de "inclusão digital".

A Maplecroft utiliza 10 indicadores para determinar o nível de acesso a tecnologias de informação e comunicação em 186 países, entre os quais usuários de telefonia móvel e banda larga, linhas fixas de telefonia e domicílios com computadores e televisores.

A Índia ocupa a 39a posição, enquanto a Rússia está em 134o, o Brasil em 110o e a China em 103o, o que os coloca entre os países de "risco médio".

Como os demais países BRIC, os indianos são favoráveis ao uso de tecnologias modernas e existe vigorosa demanda, especialmente por celulares, mas boa parte dela vem dos segmentos mais prósperos da população, que habitam áreas urbanas.

A Índia tinha 771 milhões de usuários de telefonia móvel em janeiro, e com novas adições de 19 milhões de usuários mensais, em média, no ano passado, seu mercado tem o maior crescimento do planeta.

Mas a disparidade entre áreas urbanas e rurais significa que o avanço dos serviços de terceira geração, que permitem acesso sem fio à Internet, terá importância imensa para as áreas rurais, pois representa a forma mais provável de acesso para os moradores dessas regiões.

A Maplecroft afirmou que as principais barreiras a um avanço maior eram custo, baixo nível educacional e baixa conectividade em muitas áreas do país.

O relatório afirma que a tendência também existe nos demais países do Bric, mas em grau menor. A Holanda e a Dinamarca lideram o ranking, em 185o lugar; Luxemburgo está em 184o, a Suécia em 183o e o Reino Unido em 182o.

A Maplecroft afirmou que a China tem o maior total mundial de internautas, com 420 milhões, e deve se tornar o maior mercado mundial de comunicação e tecnologia da informação, mas alertou que a liberdade da Internet ainda é problema sério no país.

"Apesar dos esforços do governo chinês para expandir a conectividade de Internet em todo o país, por esta ajudar o crescimento econômico, a Internet continua pesadamente controlada", afirma o estudo.

A África ao sul do Saara tem o pior desempenho em termos de disponibilidade de serviços digitais.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below