Co-fundador da Microsoft Paul Allen critica Bill Gates em livro

quarta-feira, 30 de março de 2011 15:56 BRT
 

SEATTLE (Reuters) - O co-fundador da Microsoft Paul Allen acusou Bill Gates, seu antigo sócio, de planejar diluir a participação de Allen na companhia antes de sua saída, em 1983, e afirmou que Gates tentou comprar sua participação na companhia a preço de barganha.

Allen, que hoje dirige uma empresa de investimentos e uma fundação filantrópica com sede em Seattle, fez a acusação em um livro de memórias ainda não lançado. Trechos do livro foram publicados na revista Vanity Fair nesta quarta-feira.

Hoje com 58 anos, Allen afirmou ter ouvido por acaso uma conversa acalorada entre Gates e o hoje presidente-executivo da Microsoft, Steve Ballmer, em dezembro de 1982.

"Foi fácil entender o intuito da conversa", escreveu Allen nas memórias reproduzidas pela Vanity Fair. "Eles estavam falando sobre minha recente improdutividade e discutindo como poderiam reduzir minha participação na Microsoft e destinar opções de ações para si mesmos e para outros acionistas. Ficou claro que eles estavam pensando sobre isso fazia algum tempo."

Na época, Allen estava tratando um câncer e retomando seu trabalho na Microsoft. Ele afirmou ter recebido posteriormente pedidos de desculpas de Gates e Ballmer sobre o incidente.

Allen, que fundou a Microsoft com Gates em 1975, deixou a gigante de software em 1983. Segundo ele, antes de sua saída Gates tentou comprar suas ações por preço de barganha.

"Não é justo que você mantenha sua participação na empresa", teria dito Gates, segundo Allen, fazendo o que o co-fundador da Microsoft descreve como uma oferta muito baixa por suas ações, de 5 dólares por cada uma.

Allen disse que não aceitaria menos de 10 dólares por cada ação. Como resultado, ele disse ter mantido sua participação.

Em comunicado por e-mail, Gates afirmou que "embora minhas lembranças de muitos desses fatos sejam diferentes das de Paul, valorizo sua amizade e as contribuições importantes que ele fez para o mundo da tecnologia e para a Microsoft".

(Reportagem de Bill Rigby)