6 de Abril de 2011 / às 13:34 / 6 anos atrás

Empresas de tecnologia estão alertas com sócios ativistas

Por Nadia Damouni

NOVA YORK (Reuters) - As empresas de tecnologia com boas reservas de caixa estão cada vez mais dispostas a apresentar ofertas hostis de tomada de controle de companhias rivais, mas os potenciais alvos estão mais preocupados com relação a outra ameaça --acionistas ativistas, disseram executivos de bancos.

Com investidores como o bilionário Carl Icahn e a Relational Investors, de Ralph Whitworth, voltando suas atenções a companhias de tecnologia, nos últimos meses, os conselhos das empresas vêm recorrendo a bancos de investimento de maneira mais proativa, para criar mecanismos de defesa, disseram executivos participantes do Reuters Global Mergers and Acquisitions Summit.

“Se alguém adquire número suficiente de ações, é frequente que a companhia termine com um novo integrante no conselho”, disse David Wah, co-diretor do grupo de tecnologia mundial e mídia norte-americana no Credit Suisse.

Wah disse que os conselhos no momento vêm procurando mais informações sobre como proteger as empresas contra acionistas ativistas.

Diversos investidores ativistas conhecidos iniciaram batalhas nos conselhos de empresas de tecnologia, nos últimos meses, em muitos casos criticando publicamente as estratégias das companhias. A causa está em uma série de fusões no setor, e eles defendem a ideia de cindir unidades e vendê-las em separado, no caso de empresas cuja capitalização de mercado esteja sendo subestimada.

“Percebemos um nível considerável de interesse gerado por esse tipo de atitude”, disse Bob Eatroff, diretor executivo do Morgan Stanley.

Recentemente, a Mentor Graphics rejeitou uma oferta não solicitada de aquisição no valor de 9,1 bilhões de dólares apresentada por Icahn em fevereiro. Mas o investidor ainda não desistiu.

O fundo de hedge Elliott Associates conseguiu forçar a Novell no ano passado a aceitar uma venda por 2,2 bilhões de dólares à Attachmate, uma empresa de software para centrais de processamento de dados controlada por um grupo de investimento comandado pela Francisco Partners, Golden Gate Capital e Thoma Bravo.

Mas táticas de defesa agressivas ajudaram empresas a manter os sócios ativistas sob controle. A Symantec conduziu reuniões com bancos para avaliar opções de estratégia, depois que a Relational, a Elliott e outros ativistas adquiriram grande número de suas ações, em 2010.

A empresa conseguiu se manter independente, depois do que um membro do conselho descreveu como ataque de ativistas.

“Ao falar com clientes e se concentrar nos pontos vulneráveis, o acionista ativista tende a conquistar mais atenção do que o comprador estratégico tradicional”, disse Eatroff, do Morgan Stanley.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below