Smartphones estão em alta, mas Nokia está em queda

quinta-feira, 7 de abril de 2011 14:48 BRT
 

Por Tarmo Virki

HELSINQUE (Reuters) - A crescente demanda por celulares acionados pela plataforma Google Android ajudará o mercado de smartphones a crescer em 2011, estimulando empresas como a HTC e a Samsung Electronics, que estão apostando na plataforma.

A popularidade do Android ajudou os fabricantes asiáticos a subir rapidamente nos rankings dos celulares, e a HTC ultrapassou a Nokia em capitalização de mercado pela primeira vez, na quinta-feira.

As ações da HTC valiam 33,4 bilhões de dólares no fechamento da quinta-feira, ante 33 bilhões de dólares para as ações da Nokia.

A Nokia continua a liderar em termos de volume, e vendeu 19 aparelhos para cada celular que a HTC vendeu no ano passado. Mas seu preço médio de venda foi de apenas 85 dólares, ante os 360 dólares da HTC, de acordo com a Strategy Analytics.

O crescimento acelerado no extremo mais elevado do mercado, ajudado em parte pelos novos modelos da HTC, elevará as vendas mundiais de celulares dotados de câmeras em 21 por cento em 2011, para 1,1 bilhão de aparelhos, o que os levará a superar a marca do bilhão pela primeira vez, anunciou a Strategy Analytics.

O mercado de smartphones vai crescer em 58 por cento este ano e em 35 por cento no seguinte, informou o grupo de pesquisa Gartner na quinta-feira.

O Android, que ocupava distante segundo posto ante o sistema operacional Symbian, da Nokia, no ano passado, elevará sua fatia de mercado a 39 por cento em 2011, enquanto a do Symbian cairá à metade, ou 19 por cento, depois da decisão da Nokia de abandonar a plataforma.

A plataforma iPhone, da Apple terá ligeiramente mais mercado que a Symbian este ano, enquanto a Research In Motion, fabricante do BlackBerry, ficará com 13 por cento do mercado; a Microsoft terá seis por cento, com o Windows Phone.

"Isso não significa dar crédito demasiado à Nokia, e sim afirmar que a Nokia fará tudo que puder para se manter no negócio. Qualquer coisa menos que isso poderia significar o fim da Nokia," afirmou a analista Carolina Milanesi.