Oi simplifica planos para venda de smartphones

segunda-feira, 25 de abril de 2011 19:20 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Oi anunciou na segunda-feira uma nova estratégia para celulares, focando em smartphones e subsídios para o parcelamento de aparelhos pelos clientes.

A empresa, que vinha se concentrando na venda de chips como forma de melhorar suas margens, "está voltando com toda a força" ao segmento de aparelhos, afirmou a diretora de marketing, Flávia Bittencourt, em teleconferência com jornalistas.

De acordo com a Oi, desde 2008 são oferecidos aos clientes créditos que permitem a compra de aparelhos, e em 2009 a companhia criou uma página na Internet específica para a venda de celulares.

"A gente já tinha parado de comprar aparelho e internalizar em nosso estoque, isso quem cuida é o franqueado (das lojas da Oi). O que estamos fazendo agora é subsidiar o parcelamento dos aparelhos e garantindo uma compra mínima de aparelhos junto aos fabricantes", disse a executiva.

"Estamos voltando a falar mais de aparelhos por causa do smartphone. O jeito de garantir isso é divulgar nosso portfólio de aparelhos. Estamos voltando com força total nisso", acrescentou a executiva, afirmando que o programa de fidelização de clientes da empresa vai permitir a partir de junho trocar pontos acumulados por celulares.

Segundo ela, a demanda dos franqueados junto à Oi por aparelhos para o Dia das Mães, importante data para o setor de varejo do país, está melhor que a do ano passado.

"Os franqueados estão mais animados. Estamos com alguns modelos (de celulares) esgotados, mais pedidos de lojistas do que costumamos atender", disse a executiva.

Na mudança da estratégia, a empresa está separando o preço do aparelho dos planos de serviços de forma a tornar mais claro para os clientes os valores cobrados.

A operadora, que passou a contar com a Portugal Telecom entre suas principais sócias neste ano, informou ainda que lançou um plano de serviços em que clientes podem fazer chamadas fixas e móveis de longa distância nacional para números fixos de qualquer operadora do país.

(Por Alberto Alerigi Jr. e Carolina Marcondes)