Oi fecha 1o tri com prejuízo de R$395 mi

sexta-feira, 29 de abril de 2011 11:28 BRT
 

SÃO PAULO, 29 de abril (Reuters) - O grupo de telecomunicações Oi encerrou o primeiro trimestre com prejuízo líquido que reverteu resultado positivo de um ano antes, impactada por efeitos não recorrentes e por queda na receita, em meio à contínua redução de sua base de telefonia fixa.

A companhia teve um prejuízo líquido de 395 milhões de reais, pressionada por 600 milhões de reais em eventos não recorrentes que afetaram o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) e as despesas financeiras líquidas.

Um ano antes, a empresa, que passou a contar com a Portugal Telecom como sócia estratégica este ano, teve lucro líquido de 518 milhões de reais. Em teleconferência com jornalistas nesta manhã, o diretor de finanças, Alex Zornig, disse que não fossem os efeitos não recorrentes "o resultado seria positivo em 300 milhões de reais".

A empresa, que atua nos segmentos de em telefonia fixa e móvel, banda larga e TV paga, registrou receita líquida de janeiro a março de 6,933 bilhões de reais, 7,1 por cento abaixo do apurado um ano antes.

Às 11h23, as ações da Oi exibiam queda de 1,99 por cento, enquanto o Ibovespa mostrava alta de 0,27 por cento.

A Oi fechou o trimestre com uma base de 41,472 milhões de clientes de telefonia móvel ante 36,613 milhões no mesmo período de 2010. Enquanto isso, os usuários de serviços banda larga fixa da empresa passaram de 4,266 milhões para 4,513 milhões e o número de linhas fixas em serviço recuou 6,3 por cento, de 21,085 milhões para 19,747 milhões.

Questionado sobre a contínua fraqueza na telefonia fixa, Zornig lembrou que o fenômeno é comum em outras operadoras de linhas fixas pelo mundo, mas afirmou que o foco da empresa nos próximos trimestres é recuperar essa área.

"Ainda não deu tempo para a receita da móvel e da banda larga compensar a queda na receita da fixa... Desafio da Oi é fazer com que a fixa pare de cair e as pessoas continuem usando o telefone fixo, esse é o mote da Oi nos próximos trimestres", disse o executivo. "A móvel já está crescendo, a banda larga está tendo retorno e o ponto agora é como evitar que a fixa se deteriore ainda mais", acrescentou.

Segundo o executivo, a revitalização da telefonia fixa passará por serviços de televisão por redes IP (IPTV), aproveitando a experiência da Portugal Telecom, que promoveu uma grande expansão desse tipo de serviço em seu país-sede.   Continuação...