ANÁLISE-Invasão contra Sony pode afetar computação em nuvem

sexta-feira, 6 de maio de 2011 17:56 BRT
 

Por Jim Finkle e Liana B. Baker

BOSTON/NOVA YORK (Reuters) - O sequestro de dados da rede da Sony que comprometeu informações pessoais de mais de 100 milhões de clientes do conglomerado japonês pode reclamar mais uma vítima --o setor de computação em nuvem.

Algumas empresas estão repensando seus planos de adotar sistemas computacionais baseados na nuvem, localizados em data centers remotos que podem ser acessados pela Internet.

As ações de companhias especializadas em computação em nuvem tiveram um dos melhores desempenhos do mercado no ano passado. Mas o ataque à Sony, assim como uma grande queda nos serviços do centro de computação em nuvem da Amazon.com, fizeram com que algumas empresas retardassem seus planos de mover suas operações para a nuvem.

"Ninguém está seguro. A Sony é somente é apenas uma parte do todo", disse Eric Johnson, professor da Universidade de Dartmouth que presta consultoria a grandes empresas sobre estratégias de computação.

Desde a divulgação da quebra da segurança do sistema da Sony em 26 de abril, as ações de companhias envolvidas com computação em nuvem têm tido performance abaixo do mercado em geral.

A Salesforce.com, fabricante de softwares fornecidos pela Internet, viu seus papeis caírem 3 por cento. As ações da VMware, que vende softwares para a construção de nuvens, declinaram 2 por cento. O índice Standard & Poor's 500 subiu 3,3 por cento no período.

Especialista em segurança digital afirmam que investidores, empresas e consumidores depositaram muita fé sobre a computação em nuvem.

"Você não iria querer ter essa confiança na mágica da nuvem. Não é tão simples assim", disse Mike Logan, presidente da Axis, empresa de segurança de dados. "É como o Facebook. Se você colocar todas as informações importantes ali, adivinhe? As pessoas as verão".   Continuação...