Huawei revela aposta audaciosa em eletrônicos de consumo

terça-feira, 10 de maio de 2011 15:40 BRT
 

Por Hung Yantao

HONG KONG (Reuters) - A Huawei Technologies, da China, está fazendo uma incursão audaciosa ao mercado de eletrônicos pessoais, e seus novos celulares inteligentes e tablets serão exibidos em elegantes shopping centers de Pequim e até mesmo em um evento de moda em Milão, à medida que a companhia se esforça para emergir de décadas de obscuridade.

A Huawei está apostando no sistema operacional Google Android para seus celulares inteligentes, e quer conquistar mercado junto aos usuários do Apple iPhone e Samsung Electronics Galaxy, como parte de uma estratégia que está levando a empresa de capital fechado a abrir suas portas ao mundo internacional da tecnologia.

Depois de repetidas solicitações, a Huawei --conhecida pela fabricação de equipamentos de redes de telecomunicações-- concedeu à Reuters acesso ao seu centro de pesquisa e desenvolvimento em Shenzhen, e exibiu a nova abordagem e os esforços para ingressar no mercado de bens eletrônicos de consumo.

O complexo está repleto de indícios quanto à busca de inovação pela companhia.

Em um dos andares, a equipe de pesquisa e desenvolvimento exibiu diversos produtos ainda não completados --uma placa de rede 4G, um celular inteligente com carregador sem fio e um vistoso celular inteligente com revestimento transparente.

Tendo conquistado a posição de segunda maior fornecedora mundial de equipamento para redes, com planos de quadruplicar sua receita para 100 bilhões de dólares nos próximos 10 anos, analistas apostam que a Huawei tem tudo para encarar seu mais recente desafio.

"Não posso prever se a Huawei se tornará a nova Samsung da Ásia, mas é uma possibilidade que certamente não descarto", disse o analista Matt Walker, do grupo de pesquisa Ovum.

A Huawei superou rivais como Alcatel Lucent e Nokia Siemens Networks, no mercado de equipamentos para redes, e agora espera dobrar seus embarques de celulares para 60 milhões de unidades este ano, incluindo 15 milhões de celulares inteligentes.

"Esperamos nos tornar a terceira maior fabricante mundial de celulares, por volume, e a quinta maior por faturamento, em prazo de cinco anos", disse o vice-presidente de marketing da Huawei Devices, Victor Xu, à Reuters, enquanto mostrava um celular inteligente Huawei IDEOS.

Sob a estratégia anterior da empresa, os consumidores não podiam "ver nossa marca nas coisas que fabricamos", acrescentou Xu, que durante a conversa tirou do bolso o seu celular pessoal -um iPhone- para atender a algumas chamadas. "Mas agora vamos mudar nossa estratégia."