Facebook admite contratar empresa para criticar Google

sexta-feira, 13 de maio de 2011 10:26 BRT
 

Por Yinka Adegoke

NOVA YORK (Reuters) - O Facebook admitiu ter contratado uma empresa de relações públicas para divulgar supostas falhas nas práticas de proteção de privacidade do Google, mas negou que pretendesse realizar uma campanha de difamação contra o gigante das buscas.

O Facebook, que também teve seus tropeços em termos de proteger a privacidade dos usuários no passado, contratou a Burson-Marstellar, companhia de relações públicas do grupo WPP, a fim de chamar a atenção dos consumidores para o uso de informações pessoais dos consumidores no Google Social Circles, um dos recursos de rede sociais menos conhecidos do Google.

A revelação destaca a rivalidade crescente entre o Google, maior serviço mundial de buscas na Internet, e o Facebook, maior site mundial de redes sociais, com mais de meio bilhão de usuários em todo o mundo.

A disputa entre Facebook e Google demonstra de que maneira a privacidade dos consumidores, especialmente a de dados mais sensíveis, pode ser uma bomba relógio para as modernas companhias de Internet, que administram volume crescente de informação sobre seus usuários, a exemplo de números de cartões de crédito e seguro social.

A Burson-Marstellar contatou diversos jornalistas e especialistas em defesa da privacidade sem revelar a identidade de seu cliente. O Facebook afirmou que a empresa deveria ter apresentado a questão de maneira "séria e transparente."

"Queríamos que terceiros verificassem que as pessoas não aprovam a colete e uso de informações de suas contas no Facebook e outros serviços para inclusão no Google Social Circles," afirmou a empresa em comunicado. "O Facebook não autorizou a coleta ou uso de dados para esse propósito."

O Google não comentou de imediato.

Christopher Soghoian, especialista em privacidade e segurança, foi contatado em 3 de maio pela Burson-Marstellar, que perguntou se ele não estaria interessado em escrever uma coluna de opinião sobre questões de privacidade relacionadas ao Google Social Circles.

"O que me pareceu estranho era que o e-mail não estava defendendo uma empresa, mas a atacando," disse Soghoian. "Eles disseram que se eu não tivesse tempo para escrever a coluna, poderiam fazê-lo por mim e colocá-la em sites como Huffington Post e The Hill."