19 de Maio de 2011 / às 13:54 / em 6 anos

Google e Apple não são invulneráveis na corrida dos smartphones

Por Paul Sandle e Tarmo Virki

PARIS (Reuters) - A Microsoft e algumas produtoras de software menores continuam a ter chance na corrida dos celulares inteligentes, que vem passando por rápidas mudanças em meio ao avanço forte do Google e da Apple, disseram executivos do setor.

Com a ajuda do interesse de fabricantes, operadoras de telecomunicações e usuários, a plataforma Google Android se tornou o principal sistema operacional para celulares inteligentes; somadas, Apple e Google detinham mais de metade desse mercado no primeiro trimestre, de acordo com o grupo de pesquisa Canalys.

“Trata-se dos dois cavalos que estão na liderança, por enquanto”, disse Neil Rimer, co-fundador da Index Ventures, durante o Reuters Global Technology Summit.

O número de celulares equipados com o Android e de iPhones vendidos, e os muitos aplicativos disponíveis para as duas plataformas, dificultarão a tarefa dos concorrentes que ficaram para trás.

“As barreiras para os demais, excetuada a Microsoft, cresceram”, disse Magnus Jern, presidente-executivo da Golden Gekko, produtora de software para celulares. “Muita gente na Alemanha e Escandinávia vê Apple e Android como as duas únicas plataformas.”

Mas Jern e diversos outros executivos do setor afirmam que outras plataformas como Windows Phone, webOS, bada e MeeGo --que ficaram muito para trás do Android e Apple-- não deveriam ser descartadas, porque seus proprietários dispõem de amplos recursos.

A Hewlett-Packard está promovendo aparelhos equipados com sua plataforma webOS; a Samsung Electronics investe em sua plataforma bada e a Intel tem a MeeGo. Além disso, Nokia planeja vender mais 150 milhões de celulares inteligentes com a antiga plataforma Symbian.

Embora os executivos tenham dito que dinheiro não basta para garantir o sucesso, todas essas empresas poderiam oferecer incentivos aos criadores de aplicativos para que desenvolvam produtos para suas plataformas.

“Isso poderia ser feito mudando o jogo. Se o programador receber 95 por cento, é possível mudar”, disse Jern. Como regra, as lojas de aplicativos oferecem 70 por cento do valor da venda aos criadores do programa vendido.

E Rimer disse que até pode surgir um novo concorrente no mercado.

Os analistas antecipam que o Android venha a deter 40 por cento do mercado este ano e que sua fatia passe dos 50 por cento nos próximos anos, mas alguns executivos sugeriram que operadoras de telefonia móvel como Vodafone e Telefónica poderiam tentar restringir os avanços na participação do Android.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below