Zuckerberg, do Facebook, diz estar de olho na China

sexta-feira, 20 de maio de 2011 09:28 BRT
 

Por Alexei Oreskovic e Jennifer Saba

SAN FRANCISCO/NOVA YORK (Reuters) - O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, está planejando realizar sua segunda visita à China enquanto a maior rede social do mundo procura a melhor maneira de se expandir naquele país.

"A missão de nossa empresa é realmente clara, ou seja, conectar o mundo inteiro," disse Sheryl Sandberg, vice-presidente de operações do Facebook, durante o Reuters Global Technology Summit, na quinta-feira. "E é impossível pensar sobre conectar o mundo inteiro, no momento, sem conectar também a China."

Sandberg classificou a oferta pública inicial de ações do Facebook como "inevitável", mas se recusou a detalhar o momento em que a empresa planeja realizá-la.

"É um processo pelo qual passam todas as empresas. É um processo inevitável para nós, a próxima coisa a acontecer," disse. "As pessoas costumavam nos perguntar se a empresa seria vendida. Agora pararam de fazer essa pergunta. Ninguém vai nos comprar, abriremos nosso capital".

Os comentários foram feitos no dia em que o LinkedIn, rede social para contatos profissionais, estreou como companhia aberta, com suas ações disparando mais de 100 por cento no mercado norte-americano.

Segundo Sandberg, a abertura de capital do LinkedIn validou a importância dos negócios que fundamentam uma rede social.

Criado em um dormitório da Universidade de Harvard em 2004, por Zuckerberg, 27, o Facebook ameaça companhias de Internet como Google e Yahoo ao se tornar um popular destino online para internautas e um importante canal de marketing para anunciantes.

No primeiro trimestre, o Facebook respondeu por quase um terço dos anúncios online em formato convencional vistos nos Estados Unidos, de acordo com o grupo de pesquisas comScore.

"Estamos ganhando posição central nas estratégias publicitárias de terceiros e em suas compras de mídia, com verbas que cresceram de dezenas de milhares para milhões de dólares, e ainda além. Temos centenas de milhares de anunciantes," disse Sandberg, que se recusou a fornecer números específicos sobre a receita do Facebook.