Steve Jobs fará lançamento do iCloud da Apple

terça-feira, 31 de maio de 2011 20:01 BRT
 

Por Poornima Gupta e Sinead Carew

SAN FRANCISCO/NOVA YORK (Reuters) - O presidente-executivo da Apple, Steve Jobs, voltará a aparecer sob os holofotes na semana que vem a fim de apresentar o último software da fabricante do iPad. A expectativa é que ele mostre um novo serviço de armazenamento de músicas e streaming.

As ações da Apple encerraram a terça-feira em alta de 3,09 por cento, após a companhia informar que "Steve Jobs e a diretoria da Apple vão abrir" a conferência em 6 de junho.

O comunicado da empresa não deixou claro como será a aparição de Jobs ou se ele está retornando ao trabalho efetivamente.

Uma aparição de Jobs, que sobreviveu a um câncer no pâncreas, marcaria a segunda ocasião em que o empresário aparece em público desde que tirou sua terceira licença médica por condições não reveladas em janeiro. Ele subiu ao palco no começo de março em um evento de lançamento do iPad 2.

Executivos da companhia têm dito que Jobs, que tem o crédito de ter resgatado a Apple de quase falir em 1996 depois de ter ficado 12 anos afastado da empresa que co-fundou, ainda se mantém envolvido em decisões estratégicas da corporação mesmo em licença médica.

Jobs pretende revelar um novo serviço baseado em computação em nuvem chamado iCloud, oferecendo poder de processamento e transmissão de dados por meio da Internet, afirmou a empresa em comunicado.

O presidente-executivo também irá revelar uma série de atualizações de softwares na conferência, incluindo o Lion, seu sistema operacional para os computadores Mac OS X, e o iOS 5, próxima versão de seu sistema operacional para aparelhos móveis.

A conferência marcará a primeira vez nos últimos anos em que Jobs será acompanhado por sua equipe durante o evento. Normalmente, o ícone do Vale do Silício faz a apresentação de novos produtos ou serviços sozinho no palco.

Especulações de Wall Street afirmam que o serviço multimídia baseado na nuvem competirá com o Google e a Amazon.com por seus conteúdos disponibilizados online.

A Apple fechou acordos com três das quatro maiores gravadoras do país, afirmaram fontes.