EUA classificam suposto ataque chinês ao Google de "muito sério"

quinta-feira, 2 de junho de 2011 16:19 BRT
 

Por Andrew Quinn

WASHINGTON (Reuters) - O governo dos Estados Unidos se apressou em avaliar nesta quinta-feira se sua segurança havia sido comprometida após o Google divulgar a ocorrência de um ataque hacker tendo autoridades norte-americanas como alvos, que foi atribuído pela empresa à China.

"Essas alegações são muito sérias", afirmou a secretária de Estado Hillary Clinton.

"Levamos isso muito a sério; estamos as avaliando (as alegações)", disse Hillary a jornalistas um dia após a gigante da Internet afirmar que bloqueara um ataque hacker cuja meta era roubar senhas de centenas de usuários de contas do Google, incluindo importantes autoridades do governo dos EUA, ativistas chineses e jornalistas.

O anúncio do Google alimenta o debate em Washington sobre as intenções da China no ciberespaço, que os EUA identificam como um possível sinal de conflitos no futuro.

Nem o Google nem o governo norte-americano afirmaram que o governo chinês estava por trás dos ataques. O Google disse somente que o ataque, aparentemente, havia se originado na China.

Pequim, no entanto, reagiu agressivamente à acusação, afirmando ser "inaceitável" culpar Pequim e dizendo que as alegações de que a China apóia hackers são infundadas e "têm motivos ocultos".

Hillary disse que o Google relatou a situação ao Departamento de Estado antes de fazer seu anúncio na quarta-feira, e que o FBI está realizando investigações em parceria com o Google.

Autoridades norte-americanas, falando em anonimato, disseram não haver indícios de nenhuma falha de segurança, notando que funcionários do governo foram instruídos a não usar contas privadas para discutir assuntos confidenciais. Alguns órgãos do governo dos EUA, como a Securities and Exchange Commission (SEC) impedem que funcionários acessem contas privadas.

A Casa Branca informou ainda que não tem motivos para acreditar que e-mails oficiais do governo norte-americano tenham sido hackeados no incidente do Google.

No entanto, o governo irá checar se as contas privadas de autoridades foram atingidas, afirmou uma autoridade, falando em condição de anonimato.