Intel mostra eletrônicos do futuro em evento na Califórnia

terça-feira, 7 de junho de 2011 20:07 BRT
 

CALIFÓRNIA (Reuters) - A Intel revelou uma série de projetos de pesquisa sendo desenvolvidos em seus laboratórios, como um aparelho que monitora o uso de energia doméstica e anúncios de publicidade que alteram suas mensagens dependendo de quem os olha.

No Research@Intel, evento anual da empresa, o vice-presidente de tecnologia, Justin Rattner, afirmou à Reuters que o aparelho que é conectado a tomadas e identifica os eletrônicos em uso pode estar à venda no ano que vem.

Esse e outros projetos exibidos na terça-feira são, em grande parte, trabalhos em evolução realizados em colaboração com acadêmicos. A Intel, maior fabricante mundial de chips, vê muitos deles como formas de vender mais de seus processadores no futuro.

Do tamanho de um punho, o aparelho que monitora gastos de energia reconhece equipamentos em uso pela quantidade de eletricidade consumida. Ele identificou um secador de cabelos, um laptop e lâmpadas em uma demonstração no evento realizado no Museu da História do Computador em Mountain View, na Califórnia.

"Isso pode ser feito com tanta precisão que podemos dizer o tipo e o número do modelo do seu refrigerador, sua televisão e seu videogame", disse Rattner.

A informação é transmitida em seguida para um computador com um software que ajuda as pessoas a controlar melhor o uso de eletricidade.

A Intel também fez demonstrações de anúncios "inteligentes", ideia popularizada pelo filme "Minority Report - A Nova Lei".

A empresa exibiu um anúncio digital capaz de contar o número de pessoas que o visualizam, analisa seus gêneros e as separa por grupos de idades. Posteriormente, ele seleciona a publicidade adequada para o painel de acordo com os dados.

Entre as demonstrações de aplicação mais prática estava uma bicicleta ligada a um gerador, empregado para fornecer energia a um laptop, uma solução para internautas de países em desenvolvimento onde o acesso à eletricidade pode limitar as possibilidades de uso da Internet.

(Reportagem de Noel Randewich)