Google vê disputas crescentes sobre censura à Web

segunda-feira, 27 de junho de 2011 16:51 BRT
 

DUBLIN (Reuters) - As disputas entre o gigante da Internet Google e alguns governos com relação à censura sobre a Internet podem se intensificar, disse o chairman da empresa, Eric Schmidt, na segunda-feira, acrescentando temer que seus colegas de trabalho venham a correr risco mais forte de detenção e tortura em certas ocasiões.

Depois que a "primavera árabe" levou multidões em larga medida organizadas via Internet às ruas, em rebeliões que derrubaram os líderes da Tunísia e do Egito, os governos de outras nações autoritárias agiram para tentar controlar a dissidência na Web --embora nem sempre com sucesso.

O Google há muito tem diferenças com a China devido às restrições impostas pelo país ao uso da Internet, e no ano passado abandonou parte de suas atividades no maior mercado mundial da Web por número de usuários devido a preocupações quanto à censura e a uma tentativa de ataque de hackers que alega ter se originado daquele país.

Schmidt alertou que em certos países, os governos tentarão garantir que a Internet venha a ser regulamentada de forma tão rigorosa quanto a televisão.

"Creio que esse problema vá se agravar", disse Schmidt em uma conferência que o Google está promovendo em Dublin sobre militância violenta.

"O motivo é que, à medida que a tecnologia se torna onipresente e os cidadãos todos se conectam, e o conteúdo ganha teor local cada vez maior e é apresentado no idioma do país, isso se torna uma questão digna de atenção regulatória, como a televisão", disse.

"Se observarmos a televisão na maioria desses países, ela sofre intensa regulamentação, porque seus líderes --semiditadores, ditadores parciais ou o que quer que os chamemos-- compreendem o poder das imagens da televisão para manter seus cidadãos controlados", acrescentou.

Os atritos entre o Google e a China ressurgiram este mês quando a empresa anunciou que havia bloqueado um esforço para roubar senhas de centenas de detentores de contas de e-mail no Google, entre os quais funcionários do governo norte-americano, ativistas chineses dos direitos humanos e jornalistas.

A empresa afirmou que os ataques parecem ter se originado da China, embora não tenha alegado envolvimento oficial. Representantes do Ministério do Exterior chinês negaram qualquer conexão com a China, alegando que o país também é vítima de ataques de hackers.

(Reportagem de Padraic Halpin)