Videogame da Lenovo põe em xeque proibição de aparelho na China

quarta-feira, 6 de julho de 2011 11:13 BRT
 

Por Isabel Reynolds

TÓQUIO (Reuters) - O lançamento de um console doméstico de videogame da Lenovo na China neste ano pode colocar em xeque a proibição de mais de uma década contra este tipo de aparelho no país e abrir o mercado de jogos da China, avaliado em 5,8 bilhões de dólares, para Sony e Microsoft.

A Eedoo Technology, subsidiária da Lenovo, pretende lançar seu videogame iSec, aparelho controlado por movimentos semelhante ao Kinect, da Microsoft, em setembro ou início de outubro na China, disse o porta-voz da empresa Zhang Zhitong.

A consultora asiática do mercado de jogos Lisa Cosmas Hanson, da Niko Partners, disse que a proibição da venda dos aparelhos existe desde o ano 2000 e foi resultado da pressão exercida por pais que desaprovavam os consoles.

O Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da China, que controla a indústria de videogames, não respondeu perguntas enviadas por fax e telefone sobre o lançamento do Eedoo ou sobre a proibição.

A Eedoo se recusou a comentar se tinha permissão oficial para lançar o aparelho, cujo lançamento no primeiro trimestre do ano foi postergado.

Mas a companhia enfatizou que seu console pode ser usado para mais do que simples jogos e disse estar em negociações com autoridades do governo, embora a natureza específica das discussões não esteja clara.

"Este aparelho pode mostrar fotos, música, entrar na Internet e muitas outras funções", disse Zhang. É um aparelho de entretenimento doméstico."

Mas o mesmo argumento poderá ser usado pela Sony e Microsoft, cujos consoles funcionam como players de mídia.

O PS3 e o Xbox 360 estão disponíveis no mercado paralelo chinês, e a Nintendo possui um aparelho básico, o iQue, à venda por meio de uma parceira local.