Banco de parceiro do WikiLeaks interrompe doações para o site

segunda-feira, 11 de julho de 2011 16:36 BRT
 

Por Maria Aspan

NOVA YORK (Reuters) - Um parceiro do WikiLeaks encontrou um novo banco que aceitou doações das bandeiras Visa e MasterCard na semana passada, mas o fim do embargo de processadoras de cartão de crédito foi apenas temporário, pois o banco interrompeu os pagamentos dentro de horas, afirmaram à Reuters duas pessoas familiares com o assunto.

A Visa e a MasterCard, as duas maiores processadoras de cartões de crédito do mundo, bloquearam doações para o WikiLeaks em dezembro. Mas na última quinta-feira, a provedora de pagamentos do WikiLeaks, a DataCell, disse que poderia começar a processar doações ao grupo de Julian Assange novamente.

Um banco islandês chamado Valitor concordou em aceitar pagamentos processados pela DataCell, mas a empresa não informou à Valitor que esses pagamentos incluiriam doações para o WikiLeaks, disse à Reuters uma pessoa familiar com o assunto.

Desta forma, a Valitor bloqueou as doações feitas pelas bandeiras Visa e MasterCard na sexta-feira e encerrou seu contrato com a DataCell, afirmou a fonte.

Menos de 100 doações foram processadas antes que a Valitor bloqueasse os pagamentos, disse a fonte.

Outros veículos da imprensa informaram na semana passada que as doações para o WikiLeaks foram descontinuadas pela Visa Europa, mas a Datacell confirmou à Reuters que foi a Valitor quem interrompeu as doações.

O episódio foi o último de uma longa batalha sobre pagamentos para o WikiLeaks. O grupo de ativistas da Internet Anonymous desativou temporariamento os sites públicos de Visa e da MasterCard em dezembro, após as processadoras pararem de processar doações ao website.