Roubo de arquivos ilustra desafio do Pentágono na cibersegurança

sexta-feira, 15 de julho de 2011 14:37 BRT
 

Por David Alexander

WASHINGTON (Reuters) - Um serviço estrangeiro de informações roubou 24 mil arquivos dos computadores de uma fornecedora de equipamentos de defesa para os Estados Unidos este ano, ilustrando a grave ameaça que o Pentágono enfrenta em seu trabalho para reforçar a segurança das redes de computadores militares, disse uma autoridade de defesa norte-americana.

William Lynn, secretário assistente de Defesa, revelou na quinta-feira a ocorrência do roubo e o lançamento de uma nova estratégia de segurança na computação do Pentágono que designa o ciberespaço como um "domínio operacional", a exemplo da terra, mar e ar, no qual as forças norte-americanas treinarão, praticarão e se prepararão para reagir a ataques.

Lynn informou que o roubo ocorreu em março, e que se acredita que tenha sido cometido por um serviço de inteligência estrangeiro e tivesse por alvo arquivos de uma fornecedora que desenvolve sistemas de armas e equipamento para defesa. Ele se recusou a especificar o país responsável pelo ataque, a companhia que foi alvo e o conteúdo dos arquivos.

"Foram 24 mil arquivos, o que é muito", disse Lynn. "Mas não creio que seja o maior caso que já vimos."

O roubo serviu como ilustração das dificuldades crescentes que o Pentágono enfrenta para proteger as redes militares e de defesa essenciais à segurança dos EUA.

Funcionários do Departamento da Defesa operam mais de 15 mil redes de computadores e sete milhões de computadores em centenas de instalações em todo o mundo. As redes do departamento são alvo de tentativas de acesso milhões de vezes ao dia, e invasões comprometeram imensos volumes de dados.

Lynn disse que uma estimativa recente calculava os prejuízos econômicos com a perda de propriedade intelectual e informações em computadores comerciais e do governo em mais de um trilhão de dólares.

Além de dispor que o Pentágono trate o ciberespaço como "domínio operacional", Lynn afirmou que a nova estratégia inclui quatro iniciativas de reforço à segurança de redes, por meio de defesas sobrepostas e de melhor cooperação com outros operadores de redes.

 
Funcionários do Departamento de Segurança Doméstica dos EUA trabalham na Equipe de Respostas Emergenciais no Sistema Industrial de Controle, no Laboratório Nacional de Idaho, em 2009. Um serviço estrangeiro de informações roubou 24 mil arquivos dos computadores de uma fornecedora de equipamentos de defesa para os EUA este ano, disse uma autoridade de defesa norte-americana.29/10/2009    REUTERS/Chris Morgan/Laboratório Nacional de Idaho