Setor de tecnologia do Japão mira em recuperação pós-terremoto

sexta-feira, 22 de julho de 2011 10:00 BRT
 

Por Isabel Reynolds

TÓQUIO, 22 de julho (Reuters) - Os grandes fabricantes japoneses de bens eletrônicos de consumo devem anunciar lucros muito reduzidos para o segundo trimestre, devido ao terremoto de março, mas o foco agora está em determinar se conseguirão cumprir previsões de recuperação rápida, dada a fragilidade da economia mundial.

As estimativas médias agora mostram que Panasonic e Sharp devem cair ao vermelho no trimestre, enquanto Nintendo deve reportar modesto lucro operacional de 10 bilhões de ienes (127 milhões de dólares). Sony e Canon também devem divulgar quedas consideráveis em seu lucro trimestral.

A maioria dos conglomerados de eletrônica tem projeções de receita estagnada ou em pequena queda para o ano fiscal que se estende até março de 2012, o que coloca em destaque a expectativa de fortes melhoras assim que superem as dificuldades de produção relacionadas ao desastre.

Mas dúvidas sobre as perspectivas quanto ao resto do ano começam a surgir, diante da alta renovada do iene ante o dólar e o euro, alimentadas por preocupações sobre o nível de dívidas do governo.

"As preocupações estão se transferindo da ponta da oferta à da demanda", disse Yoshiharu Izumi, analista do JPMorgan em Tóquio. "O aspecto macroeconômico domina. O iene forte não é tanta preocupação; o problema é a demanda final pelos produtos."

Os consumidores dos Estados Unidos e Europa continuam desanimados e os economistas estão reduzindo suas projeções de crescimento. A confiança dos consumidores dos EUA atingiu a marca mais baixa em quase 30 meses, no começo de julho, enquanto preocupações sobre dívidas e medidas de austeridade dos governos estão reprimindo o interesse dos consumidores em muitas partes da Europa.

Na China, uma redução no setor fabril também está causando preocupação.

No mercado interno, a confiança dos consumidores japoneses está melhorando um pouco depois do recuo causado pelo terremoto e tsunami de 11 de março, que causou ao menos 15 mortes e criou uma longa crise na usina nuclear de Fukushima, ao norte de Tóquio.