Acordo entre Alibaba e Yahoo sobre Alipay pode chegar a US$6 bi

sexta-feira, 29 de julho de 2011 15:43 BRT
 

Por Liana B. Baker

NOVA YORK (Reuters) - O grupo chinês de Internet Alibaba planeja obter até 6 bilhões de dólares com a cisão de sua divisão de pagamentos online Alipay, em um acordo há muito esperado da companhia chinesa com seus sócios Softbank e Yahoo.

As ações do Yahoo, que possui 43 por cento do Alibaba, inicialmente subiram com o anúncio. Mas reverteram os ganhos à medida que investidores ficaram preocupados sobre a capacidade da companhia de controlar e colher benefícios de seus ativos na Ásia.

O acordo, anunciado em um comunicado conjunto divulgado nesta sexta-feira, traz algum alívio para os investidores do Yahoo, mas não resolve a questão de como a companhia norte-americana pode capitalizar seus ativos asiáticos, considerados por Wall Street sua fatia mais valiosa.

"O aspecto mais importante disso é que eles conseguiram fechar um acordo", disse o analista Colin Gillis, da BCG Financial. "Mas ele não resolve a questão de como o Yahoo pode tirar proveito de sua participação no Alibaba e transformar isso em lucro nos seus resultados financeiros".

O acordo entre as três envolvidas resulta de meses de intensas negociações, perturbadas por uma disputa que veio a público sobre a transferência do Alipay para uma companhia de posse do fundador do Alibaba, Jack Ma --estratégia da qual o Yahoo afirmou não ter sido avisado.

Ele também traz tensão adicional ao já difícil relacionamento entre a companhia chinesa de Internet e o Yahoo após a presidente-executiva Carol Bartz ser nomeada para tentar retomar o crescimento da empresa, que antigamente dominava o mercado de Internet.

O Alibaba afirmou ter fechado um acordo com o japonês Softbank e o Yahoo, prometendo que o Alibaba pode obter até 6 bilhões de dólares, mas não menos de 2 bilhões de dólares, como resultado de uma oferta pública inicial de ações do Alipay ou alguma outra operação "que traga liquidez".

(Reportagem adicional de Melanie Lee em Xangai e Franklin Paul em Nova York)