1 de Agosto de 2011 / às 19:39 / em 6 anos

TV paga quer fatia em plano de banda larga do governo

Por Sérgio Spagnuolo

SÃO PAULO (Reuters) - O segmento de TV por assinatura quer uma fatia do plano do governo para massificar a banda larga, e defende uma regulamentação mais branda para as companhias do setor a fim de viabilizar novos modelos de negócios.

Em junho, o governo lançou oficialmente o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), que será operado pela Telebrás e possui contratos com algumas das principais operadoras de telefonia, como Oi, Telefônica e TIM.

“Esperamos ser um dos principais parceiros do PNBL”, disse o presidente-executivo da Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA), Alexandre Alexandre Annenberg, nesta segunda-feira.

“O segmento de TV a cabo pode ser determinante para a massificação da banda larga”, afirmou ele, acrescentando que há sobreposição entre as redes de cabo atuais das empresas e as que serão operadas pela Telebrás, o que fortaleceria a oferta de serviços.

Annenberg também defendeu regulamentações mais brandas por parte da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), principalmente no que diz respeito à qualidade dos serviços.

“O Plano Geral de Metas de Qualidade (PGMQ) para TV por assinatura da Anatel é muito rígido e bem definido”, disse Annenberg. “Mas precisamos entender melhor a percepção de qualidade que o consumidor exige.”

Segundo ele, as companhias precisam “ser livres para a experimentação”, a fim de elaborar “novos modelos de negócios” para concorrer no segmento de convergências de serviços de voz, dados e televisão.

O PGMQ estabelece referências para qualidade de serviços, de atendimento e continuidade de serviço, entre outras, com possíveis sanções contra as companhias que ficarem abaixo das metas.

SETOR EM ALTA

O segmento de televisão por assinatura brasileiro estima alta de 18,7 por cento no faturamento em 2011, para 14,6 bilhões de reais, informou a ABTA.

No primeiro semestre, o faturamento do setor somou 7,1 bilhões de reais, ante 5,6 bilhões de reais nos seis primeiros meses de 2010.

Segundo o presidente da ABTA, os principais fatores que colaboraram para o crescimento do setor foram a oferta de novas tecnologias e conteúdos, o aumento do poder de compra da classe C e a entrada de novas companhias de TV por satélite.

A estimativa é fechar o ano com 12,5 milhões de domicílios atendidos, ante 11,1 milhões em 2010. “O segmento tem encontrado terreno fértil para crescer”, disse Annenberg.

Em 2010, a indústria teve receita de 12,3 bilhões de reais e um total de 9,8 milhões de usuários de TV paga, num crescimento de 31 por cento sobre 2009.

O setor vive fase de convergência de tecnologias no Brasil, com grandes grupos de telefonia ingressando na oferta de serviços de TV e operadores oferecendo conteúdo online que pode ser acessado por banda larga.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below