Nasa lança robô para explorar Júpiter e Sistema Solar

sexta-feira, 5 de agosto de 2011 15:56 BRT
 

Por Irene Klotz

CABO CANAVERAL, Estados Unidos (Reuters) - O foguete não tripulado Atlas 5 partiu da Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral na sexta-feira, levando um robô para Júpiter a fim de investigar os detalhes da formação do Sistema Solar.

O foguete levando a espaçonave Juno, da Nasa, foi lançado às 12h25 (13h25 no horário de Brasília) no primeiro passo de uma viagem de cinco anos para percorrer 716 milhões de quilômetros e chegar ao maior planeta do Sistema Solar.

O lançamento foi adiado por quase uma hora, para que a United Launch Alliance -- a joint venture Boeing-Lockheed Martin que fabrica os foguetes Atlas e Delta para a NASA e para clientes militares e comerciais -- consertasse um problema técnico com o apoio terrestre.

Antes da chegada em julho de 2016, Juno deverá passar um ano numa órbita polar sem precedentes ao redor do planeta gigante, medindo seu conteúdo de água, mapeando seus campos magnéticos e buscando por sinais de um núcleo sólido.

Com mais do dobro da massa do que todos os planetas do sistema combinados, acredita-se que Júpiter tenha uma peça chave do quebra-cabeça de como os planetas se formaram aproximadamente 4,65 bilhões de anos atrás, com o gás e a poeira deixados depois do nascimento do Sol.

"Nós realmente buscamos a fórmula da formação dos planetas", disse o cientista chefe do Juno, Scott Bolton, do Instituto de Pesquisa do Sudoeste em San Antonio, no Texas.

"Vamos procurar os ingredientes de Júpiter obtendo água em abundância, assim como medidas muito precisas do campo gravitacional que nos ajudará a entender se há um núcleo de elementos pesados ou um núcleo de rochas no meio de Júpiter", disse ele.

As medidas ajudarão os cientistas a discriminar entre as teorias sobre como o sistema solar era e como foi criado Júpiter, que se acredita tenha sido o primeiro planeta a ser formar.

Para fazer essas observações, Juno vai se aproximar a 5 mil quilômetros das nuvens de Júpiter e será a primeira espaçonave a voar dentro dos anéis de radiação do planeta.