Ranking de operadoras móveis muda; foco em rentabilidade, não

quarta-feira, 24 de agosto de 2011 18:36 BRT
 

Por Sérgio Spagnuolo

SÃO PAULO (Reuters) - A chegada da TIM Participações ao segundo lugar do mercado brasileiro de telefonia móvel foi comemorada pela companhia, mas não deve alterar de forma significativa o cenário do setor no curto prazo.

Embora mantenham uma disputa acirrada por mercado, as operadoras têm concentrado o discurso na busca permanente por rentabilidade maior, seja por promoções de pacotes a usuários ou "limpeza" na base de usuários pré-pagos.

"O mercado já precificou o bom desempenho financeiro da TIM, a notícia (da vice-liderança) é positiva, mas já era esperada", diz a analista Rosângela Ribeiro, da corretora SLW. "É preciso se focar na rentabilidade, conseguir market share não necessariamente é rentável."

Na terça-feira, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) divulgou dados de acessos para julho, mostrando que a TIM superou a Claro em mais de 600 mil acessos móveis, retomando a vice-liderança que tinha perdido em 2008.

A TIM, controlada pela Telecom Italia, tem apresentado bons resultados trimestrais e apenas um melhor posicionamento no ranking do setor não necessariamente significa a manutenção da rentabilidade, segundo analistas.

A Claro ainda possui uma grande base de clientes no Brasil, e tem, inclusive, registrado adições líquidas de acessos móveis mês a mês. A subsidiária da mexicana América Móvil indicou que vai se focar na criação de valor ao invés de priorizar apenas novas linhas.

A Vivo, por sua vez, apesar de consolidada como líder do segmento, superando a TIM em mais de 8 milhões de linhas móveis, também tem conseguido novas adições à sua base.

"Chamamos atenção para o desempenho muito positivo da Vivo, que está na liderança e ainda consegue ganhar market share", afirma a analista Luciana Leocadio, da corretora Ativa.   Continuação...