Pacientes de câncer como Jobs enfrentam risco com tratamento

quinta-feira, 25 de agosto de 2011 12:36 BRT
 

Por Anna Yukhananov

WASHINGTON (Reuters) - Pacientes com o tipo raro de câncer de Steve Jobs, da Apple, enfrentam uma luta mais dura se há uma recorrência da doença por causa dos métodos usados no combate a ela.

Jobs disse na quarta-feira que não poderia mais ser o presidente-executivo da empresa que ele havia cofundado. Ele saiu de licença médica em janeiro depois de anos lutando contra um raro tipo de câncer no pâncreas e outras questões de saúde.

Ele não deu detalhes sobre sua saúde em seu último anúncio.

O tipo de câncer pancreático é causado por um tumor neuroendócrino de células da ilhota.

Jobs teria se submetido a um transplante de fígado em 2009 para combater a disseminação do tumor neuroendócrino. O procedimento é experimental e propício a complicações.

Jobs nunca divulgou publicamente o motivo para seu transplante de fígado.

O médico Simon Lo, diretor de doenças biliares e pancreáticas no Centro Médico Cedars-Sinai, em Los Angeles, disse que a complicação grave mais provável depois do transplante de fígado de Jobs seria a metástase do câncer, o que obrigaria Jobs a deixar o seu cargo permanentemente. Lo não tratou de Jobs.

Cerca de 80 por cento dos pacientes que fazem transplantes de fígado para tratar esse tipo de câncer vivem pelo menos cinco anos, segundo a Universidade da Califórnia em San Francisco.   Continuação...