Facebook prepara serviço social de música com parceiros

quinta-feira, 1 de setembro de 2011 10:36 BRT
 

Por Yinka Adegoke

NOVA YORK (Reuters) - O Facebook está dando os toques finais em novos recursos para as homepages de seus usuários que permitirão integração profunda de serviços musicais de parceiros como Spotify, MOG, Rhapsody, Slacker e Rdio, de acordo com pessoas familiarizadas com os planos da empresa.

A plataforma de música deve ser demonstrada em uma conferência de programação do Facebook que começa em 22 de setembro.

Ainda que o Facebook seja o mais popular dos serviços mundiais de rede sociais, com mais de 750 milhões de membros cadastrados, seu fundador, Mark Zuckerberg, está ansioso por ampliar o tempo que os usuários passam no site.

A música aparentemente é apenas um dos aspectos da estratégia que visa tornar o Facebook mais "adesivo"; a empresa também pretende formar parcerias com outros proprietários de conteúdo de mídia, a exemplo dos estúdios de cinema.

"Eles estão trabalhando em uma plataforma para música cujo objetivo é criar uma conexão entre os fãs", disse uma pessoa que acompanha de perto as negociações, mas pediu que seu nome não fosse revelado porque os planos são confidenciais.

O Facebook se recusa a comentar sobre sua nova plataforma de música, mas em julho diversos blogs de tecnologia publicaram que um engenheiro de software havia descoberto código de programação para um produto chamado "Vibes", no Facebook, que permitiria o download de música.

O Facebook poderia ajudar bastante os serviços parceiros que oferecem música em formato stream e estão batalhando para concorrer em um mercado de música digital dominado pela loja de downloads da Apple. A Apple também está desenvolvendo um serviço de música em formato stream chamado iTunes Match, que deve ser lançado no final do ano.

O maior dos serviços de música por assinatura, o Rhapsody, conta com cerca de 800 mil usuários pagantes depois de quase 10 anos. Nos Estados Unidos, acredita-se que o segundo maior seja o Slacker, com cerca de 400 mil assinantes, enquanto empresas iniciantes como a MOG e a Rdio têm bases de usuários significativamente menores, segundo as estimativas.