ANÁLISE-Ação da Telebrás dispara, mas carece de fundamentos

quarta-feira, 28 de setembro de 2011 14:11 BRT
 

Por Sérgio Spagnuolo

SÃO PAULO (Reuters) - As ações preferenciais da Telebrás têm registrado forte valorização e volume de negócios nas últimas semanas na Bovespa. Apenas no pregão de terça-feira, o papel disparou quase 18 por cento.

Reativada pelo governo em maio de 2010 para ser o braço operacional do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), a companhia, porém, ainda não tem receita e conta com um orçamento enxuto bancado pelo governo, em uma área na qual os investimentos necessários são maciços.

Um gestor de fundos classificou como "cassino" a aposta nas ações da estatal, enquanto analistas e especialistas ouvidos pela Reuters consideram a procura pelos papéis como especulação e acreditam que a companhia carece de fundamentos que justifiquem um investimento com horizonte de longo prazo.

"Não é uma empresa que tem um plano de negócios muito claro, o objetivo é operar coisas do governo, o plano social do governo", disse o presidente da consultoria Teleco, Eduardo Tude.

O diretor administrativo, financeiro e de relação com investidores da Telebrás, Bolivar Moura Neto, argumenta que a companhia tem um plano de geração de valor ao acionista.

Segundo ele, há expectativa de que a estatal gere lucro já na segunda metade do próximo ano.

"O movimento recente reflete a percepção do mercado de que o projeto da Telebrás (de construção de rede e parcerias) está se materializando, havia muita incerteza sobre a ação após a reativação (da empresa)", afirmou Moura Neto à Reuters.

"Nossa expectativa é que no segundo semestre do ano que vem comecemos a dar resultado mensal positivo na última linha", acrescentou. "Mas vai depender de alguns negócios que estamos conduzindo para gerar receita."   Continuação...