Senador dos EUA defende rede social para diplomacia na A. Latina

terça-feira, 4 de outubro de 2011 19:35 BRT
 

Por Jasmin Melvin

WASHINGTON (Reuters) - Os Estados Unidos devem avançar agressivamente no uso das mídias sociais como Twitter e Facebook para promover sua agenda na América Latina e ajudar os cidadãos recém conectados à Internet a ter ganhos políticos, segundo um novo relatório dos EUA obtido pela Reuters.

O senador Richard Lugar disse que países como Cuba, Venezuela e Nicarágua ainda procuram reduzir as liberdades econômicas e políticas, enquanto que outros países latino-americanos precisavam ajudar a apoiar grupos da sociedade civil.

Ferramentas da mídia social na Internet, que desempenhou um papel central na "Primavera Árabe" em todo o Norte de África e no Oriente Médio, podem ser ainda mais influentes na América Latina, disse Lugar, principal republicano no Comitê de Relações Exteriores do Senado.

"A América Latina tem a vantagem de ter mais assinantes de telefonia móvel, usuários de Internet, acesso à banda larga e servidores de Internet seguros do que o Oriente Médio", disse Lugar no prefácio do relatório, que deve ser divulgado por seu escritório na quarta-feira.

O Departamento de Estado norte-americano deve fazer mais para ajudar países latino-americanos a lidar com deficiências em infraestrutura e experiência, particularmente na medida em que concorrentes econômicos como a China competem com os Estados Unidos por influência na região, indicou o relatório.

"Num momento em que a influência política dos EUA está diminuindo na região, fica claro que as tendências tecnológicas dos EUA podem redefinir as relações com muitos países da América Latina", disse o relatório.

O relatório elaborado por Carl Meacham, assessor sênior de Lugar para a América Latina e o Caribe, recomenda que os EUA apoiem programas de formação em engenharia avançada de software, bem como informática básica e programas de alfabetização online na região.

Com apenas 12 por cento dos recursos online disponíveis em espanhol ou português, o relatório mostrou que o Departamento de Estado também deve apoiar o desenvolvimento de websites locais e tradução de outros recursos da Internet.   Continuação...