Britânicos deixam a herdeiros "heranças digitais"

sexta-feira, 14 de outubro de 2011 16:10 BRT
 

Por Paul Casciato e Sarah McFarlane

LONDRES (Reuters) - Britânicos estão incluindo senhas de Internet em testamentos para garantir que suas músicas, fotos, vídeos e outros dados digitais não sejam perdidos quando eles morrerem, mostrou um estudo.

Cerca de 11 por cento dos dois mil britânicos entrevistados pelo Centro de Tecnologia Criativa e Social (Cast, na sigla em inglês) da Universidade de Londres, disse que tinha incluído senhas de Internet ou planejava incluí-las em seus testamentos, uma tendência que o Cast batizou de "herança digital".

"É uma área que se tornará cada vez mais importante dado, por exemplo, o valor monetário de coleções de músicas e o valor sentimental de coleções de fotografia --agora, menos pessoas guardam cópias materiais de ambas as coisas", afirmou Steven Thorpe, sócio da Solicitors Gardner Thorpe, em citação no relatório.

Os autores de "Cloud Generation"(Geração da Nuvem), Chris Brauer e Jennifer Barth, empregaram 15 estudos de casos e pesquisas para investigar as implicações da crescente existência de lembranças pessoais e culturais somente na nuvem. Os serviços online são rodados em computadores remotos, e não nos próprios PCs dos indivíduos.

No decorrer de seu estudo, eles descobriram que as pessoas naturalmente queriam guardar músicas, fotos e vídeos valiosos para seu próprio uso durante a vida, mas agora estão cada vez mais buscando preservar esses bens para seus herdeiros.

Brauer disse ter descoberto que "nativos digitais", agora confiam instintivamente na nuvem para interagir, guardar, armazenar e compartilhar seus gostos pessoais e dados.

Cerca de 25 por cento dos entrevistados acreditam que até 2020 não imprimiriam mais fotos e 14,5 por cento disse que não possuiria mais nenhum livro físico.

(Reportagem de Giles Elgood)