Pequim defende censura da Internet após crítica dos EUA

quinta-feira, 20 de outubro de 2011 11:58 BRST
 

PEQUIM (Reuters) - A China defendeu na quinta-feira seu direito de censurar a Internet, alegando a necessidade de "proteger o público" depois que os Estados Unidos pressionaram o país asiático a explicar suas restrições a empresas norte-americanas.

Os Estados Unidos querem saber porque o "Great Firewall of China" ('Grande Muralha Digital da China', um projeto de censura e vigilância administrado pelo Ministério de Segurança Pública chinês) impede tantas empresas norte-americanas de oferecerem serviços via Internet, segundo uma carta obtida na quarta-feira, outro indício da crescente tensão comercial entre as duas maiores economias do mundo.

A porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Jiang Yu, disse que a China incentivava ativamente o desenvolvimento da Internet e protegia a liberdade de expressão online.

"Ao mesmo tempo, em termos da administração legal da Internet na China, o propósito é manter um bom ambiente de Internet e proteger o interesse público", disse Jiang a jornalistas. "Isso está de acordo com as práticas internacionalmente aceitas".

"Estamos dispostos a trabalhar com países para promover o desenvolvimento sólido da Internet", afirmou. "Mas não aceitamos usar a desculpa de 'liberdade de Internet' para interferir nas práticas internas de outros países".

Ela acrescentou que empresas estrangeiras eram bem-vindas para fazer negócios na China, um país com mais de 450 milhões de usuários da Internet e que exerce controle rígido sobre a rede no país.

A China proíbe diversos sites, inclusive o Facebook, Twitter e YouTube, temendo que o livre compartilhamento de imagens e informações gere instabilidade social e prejudique a segurança nacional.

(Reportagem de Sui-Lee Wee e Sabrina Mao)