Google abandona planos de produzir energia renovável barata

quarta-feira, 23 de novembro de 2011 09:23 BRST
 

Por Alexei Oreskovic

SAN FRANCISCO, Estados Unidos (Reuters) - O Google abandonou um projeto ambicioso para produzir energia renovável a preços inferiores aos do carvão, como mais recente passo nos esforços do presidente-executivo, Larry Page, para concentrar os esforços do gigante da Internet em um número menor de projetos.

O Google anunciou o cancelamento de sete projetos, entre os quais o da energia renovável mais barata que o carvão e o Knol, uma enciclopédia online semelhante à Wikipedia.

Os planos, anunciados pelo Google no blog da empresa, representam a terceira etapa na "faxina geral" que a companhia vem promovendo desde que Page assumiu como presidente-executivo, em abril.

As mudanças surgem em um momento no qual o Google enfrenta forte concorrência na computação móvel e redes sociais, de parte da Apple e Facebook, e depois que investidores se queixaram da alta dos gastos na maior companhia mundial de buscas na Internet.

"Para recapitular, estamos em meio a um processo de cancelamento de certos produtos que não tiveram o impacto esperado, integração de outros a esforços mais amplos e encerramento de alguns projetos que nos ajudaram a divisar um caminho diferente", escreveu Urs Holzle, vice-presidente sênior de operações do Google no blog da empresa.

O Google afirmou que acreditava haver outras instituições em melhor condição de conduzir os esforços de desenvolvimento da energia renovável a "um novo patamar".

O Google começou a realizar investimentos e a fazer pesquisas sobre tecnologia que reduziria preço da energia renovável em 2007, com especial atenção à tecnologia de energia solar.

Em 2009, Bill Weihl, o "czar da energia ecológica" na empresa, disse à Reuters que esperava demonstrar em poucos anos uma tecnologia funcional capaz de produzir energia renovável a preço inferior ao do carvão.

"As chances são de 50/50, eu diria", afirmou Weihl em 2009. "Dentro de três anos, teremos instalações gerando múltiplos megawatts em operação."

Um porta-voz do Google informou que Weihl deixou a empresa no começo deste mês.