Videogames aproveitam o movimento Occupy Wall Street

quinta-feira, 24 de novembro de 2011 09:57 BRST
 

Por Liana B. Baker

NOVA YORK (Reuters) - Quando os jogadores abrirem o novo "BioShock" no ano que vem, não devem se surpreender caso algumas partes do jogo os faça recordar os protestos do movimento Occupy Wall Street.

Ken Levine, diretor de criação do Irrational Games, estúdio de Boston que está desenvolvendo o jogo, visitou os protestos em sua cidade este mês a fim de pesquisar para o próximo título da série "BioShock," cujo lançamento está marcado para 2012.

O jogo "BioShock Infinite" se passa em 1912, em uma cidade norte-americana que flutua no céu, chamada Columbia, e na qual duas facções políticas, o Vox Populi, um grupo de esquerda, e os direitistas do grupo Founders disputam o controle.

"Foi fascinante ver que o conflito do jogo, baseado em conflitos históricos, terminou de certa forma reencarnado em nossa era," disse Levine, que mostrou partes do jogo à imprensa meses antes dos protestos começarem em Wall Street.

Parte da inspiração do jogo provém de grupos políticos como a gangue Baader-Meinhoff, ativa na Alemanha nos anos 70 e 80, e Know Nothings, uma facção política norte-americana que combatia a imigração na metade do século 19.

Mas, quando os protestos do Occupy Wall Street irromperam, Levine aproveitou a oportunidade para ver uma manifestação de perto.

"Ler sobre esses movimentos nos livros de História é uma coisa, mas vê-los acontecendo em tempo real, respirar o ar em que eles transcorrem, é outra bem diferente," disse ele.

Não é a primeira vez que Levine trata de ideologias políticas em seu trabalho. O primeiro "BioShock" se passava em um universo subaquático inspirado pela escritora Ayn Rand e pelo vale de "Galt's Gulch," que ela criou no livro "A Revolta de Atlas."   Continuação...