21 de Dezembro de 2011 / às 11:33 / em 6 anos

Hackers chineses invadem sistemas da Câmara de Comércio dos EUA

WASHINGTON (Reuters) - Hackers chineses contornaram as defesas da Câmara do Comércio dos Estados Unidos no ano passado e conseguiram acesso a informações sobre a organização e seus 3 milhões de membros, publicou o Wall Street Journal nesta quarta-feira.

Em Pequim, a China desconsiderou a reportagem. O jornal, mencionando pessoas não identificadas, mas informadas sobre o assunto, publicou a operação contra o principal grupo de lobby de negócios norte-americano, que envolveu pelo menos 300 endereços de Internet e foi descoberta em maio de 2010.

O jornal informou que não se sabe o volume das informações obtidas pelos hackers ou quem pode ter tido acesso à rede no mais de um ano em que ela esteve exposta antes que a violação fosse descoberta.

O grupo por trás do ataque é suspeito pelos EUA de manter vínculos com o governo chinês, disse uma das fontes ao jornal. O FBI informou a Câmara de Comércio que servidores na China estavam obtendo informações ilegalmente em suas redes, segundo a fonte.

Liu Weimin, porta-voz do Ministério do Exterior chinês, descartou a reportagem.

“Não há o que dizer sobre essa divulgação infundada de supostos ataques de hackers, e nada surgirá disso”, disse ele em declaração regular em Pequim. “A lei chinesa proíbe a ação de hackers.”

A Câmara de Comércio emprega 450 pessoas e representa interesses de negócios, entre os quais a maioria das grandes empresas norte-americanas, no Congresso.

O jornal publicou que os emails acessados revelavam os nomes de empresas e pessoas importantes que mantinham contato com a Câmara, e também permitiram acesso a documentos de política comercial, atas de reuniões, relatórios de viagem e agendas.

“O que é incomum quanto a isso é que o responsável foi claramente alguém muito sofisticado, que sabia exatamente quem somos e visou pessoas específicas, utilizando ferramentas sofisticadas para tentar obter informações”, disse David Chavern, vice-presidente de operações da organização, ao Wall Street Journal.

A China é frequentemente mencionada como suspeita em diversos ataques de hackers aos EUA. Em agosto, o Pentágono alertou em relatório ao Congresso que as operações de hackers na China poderiam ser utilizadas para fins militares abertos no futuro.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below