China aperta regras a serviços de microblogs

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011 10:07 BRST
 

PEQUIM (Reuters) - A China apertou ainda mais as regras que incidem sobre os microblogs, nesta quinta-feira, passando a exigir que novos autores em sete sites na província de Guangdong, no sul do país, se registrem com seus nomes reais, informou a agência estatal de notícias Xinhua, uma decisão que os usuários lastimaram como inefetiva.

Serviços de microblogs como o Weibo, da Sina, permitem que usuários postem mensagens de até 140 ideogramas chineses que podem ser lidas por milhares de usuários a cada dia e desafiam os censores com posts sobre tópicos delicados como direitos humanos e falhas da liderança nacional.

A nova regra não demorou a se tornar alvo de zombaria entre os usuários de microblogs, cujos posts em muitos casos deflagraram protestos online de alcance nacional contra a corrupção das autoridades e reportaram acontecimentos como uma colisão fatal de um trem-bala, alguns meses atrás, mais rápido e de maneira mais precisa que a mídia oficial.

"Eu digo uma ou duas coisas e eles querem vir me apanhar?", afirmou um dos usuários, que usa o pseudônimo Pan Gui. "A China tem mais de um bilhão de habitantes. Se algumas centenas de milhões de pessoas se queixarem, eles terão espaço para prender todos?"

"Qual é o objetivo disso?", escreveu outro usuário, identificado como Wang Weijin. "Querem controlar nossa liberdade de expressão?"

Não ficou claro quantos usuários de microblogs existem entre os quase 500 milhões de usuários de Internet chineses. Algumas estimativas indicam 300 milhões.

Mas a Xinhua citou Tong Liqiang, diretor-executivo assistente do Escritório de Informação de Internet de Pequim, e sua estimativa de 63 milhões de usuários, ainda que o número de identidades de microblogs registrado em Pequim seja de 600 milhões. Muitas delas são usadas como camuflagem.

Os sites de Guangzhou e Shenzhen, cidades de Guangdong nas quais opera a Tencent Holdings, maior companhia de Internet chinesa por faturamento, exigirão apenas que os novos usuários se registrem com seus nomes reais. Eles poderão continuar a postar usando nomes reais ou pseudônimos.

(Por Terril Yue Jones)