Empresas asiáticas podem querer plataforma da RIM

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012 10:01 BRST
 

TORONTO/SEUL, 18 Jan (Reuters) - A Research in Motion não consta da lista de compras imediatas da Samsung Electronics, mas a problemática fabricante do BlackBerry pode continuar atraente para outras fabricantes asiáticas de smartphones interessadas em concorrer com a plataforma móvel Android, do Google, que vem crescendo rapidamente.

A Samsung informou nesta quarta-feira que não tem interesse em adquirir a RIM ou licenciar o uso de seu sistema operacional, negando informação publicada em um blog de tecnologia de que a canadense RIM estaria negociando sua venda para a gigante sul-coreana da tecnologia.

As ações da RIM, que há muito são alvo de especulações quanto a uma aquisição, vinham registrando as cotações mais baixas em anos, mas subiram mais de 10 por cento depois da informação do blog. Com a negativa da Samsung, voltaram a cair.

Atrasos no lançamento de produtos e alertas quanto a quedas no lucro erodiram a confiança na RIM, que no passado esteve na vanguarda da tecnologia de celulares inteligentes para uso corporativo, e em seus dirigentes.

Mas a RIM, cujo valor de mercado continua estimado em mais de 9 bilhões de dólares, pode atrair fabricantes asiáticas como LG Electronics, HTC e ZTE, que não têm plataformas próprias, segundo uma fonte de uma grande fabricante asiática de celulares.

"Porque não temos plataforma própria, (a RIM) é uma opção atraente para estudo, e somos flexíveis a respeito de qualquer assunto", disse a fonte, que tem conhecimento direto do assunto.

A Samsung tem uma plataforma própria, chamada bada, e quer reforçar sua presença combinando-a a uma plataforma desenvolvida pela fabricante de chips Intel.

"Não consideramos adquirir a empresa e não estamos interessados nisso (em adquirir a RIM)", disse James Chung, porta-voz da Samsung, acrescentando que a companhia não foi abordada pela empresa canadense quanto a uma aquisição e que não tem interesse em licenciar a plataforma móvel da RIM.

(Por Alastair Sharp e Miyoung Kim)