EUA acusam Megaupload de violação de direitos autorais

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012 20:02 BRST
 

WASHINGTON, 19 Jan (Reuters) - O Megaupload.com, um grande website de hospedagem de conteúdo, seus fundadores e empregados foram acusados por um júri dos Estados Unidos de um grande esquema de violação de direitos autorais, a última disputa numa guerra contra a pirataria de filmes e músicas.

O grupo, chamado pelos promotores de "Mega Conspiracy", foi acusado de se envolver num esquema que tirou das mãos de detentores de direitos autorais por volta de 500 milhões de dólares e gerou mais de 175 milhões de dólares em rendimentos criminosos, de acordo com a acusação revelada nesta quinta-feira.

"Em troca de pagamento, a Mega Conspiracy fornece reprodução e distribuição rápida de obras registradas a partir de seus servidores localizados ao redor do mundo", disse a acusação.

Um tribunal federal na Virgínia ordenou que 18 domínios associados ao grupo fossem confiscados. Além disso, por volta de 20 mandados de busca foram executados nos EUA. e em oito outros países.

Os fundadores da empresa -Kim Dotcom, também conhecido como Kim Schmitz e Kim Tim Jim Vestor, e Mathias Ortmann- foram indiciados. O vice-presidente de marketing e responsável pelo setor de vendas, Finn Batato, o responsável pelo setor de desenvolvimento Sven Echternach e outros funcionários da empresa foram também detidos.

As acusações incluem violação de direitos autorais e conspiração para realizar extorsão, violação de direitos autorais e lavagem de dinheiro.

Dotcom, Batato, Ortmann e outro indivíduo foram detidos em Auckland, Nova Zelândia, por autoridades locais nesta quinta-feira, disse o Departamento de Justiça dos EUA. Echternach e dois outros continuam em liberdade.

As acusações emergem em um momento em que o Congresso norte-americano tem dificuldades em função de legislação promovida pelas indústrias do cinema e da música para reduzir a pirataria online e o roubo de conteúdo. Grandes sites como o Google e o Facebook se opuseram e afirmaram que, da maneira como a legislação foi redigida, ela levaria à censura.

(Por Jeremy Pelofsky)