Resultados de IBM, Intel e Microsoft indicam demanda forte em TI

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012 11:26 BRST
 

NOVA YORK, 20 Jan (Reuters) - As projeções otimistas feitas pela IBM e os resultados positivos de Intel e Microsoft sugerem que as grandes empresas estão deixando de lado o nervosismo quanto ao crescimento econômico e ampliando os gastos com tecnologia.

A IBM, quarta maior companhia mundial de tecnologia, superou com facilidade as expectativas de Wall Street quanto ao lucro no quarto trimestre, e projetou crescimento de 10 por cento para o lucro deste ano.

A Intel, maior fabricante mundial de processadores, anunciou planos ambiciosos de investimento depois de reportar resultados trimestrais que superaram as previsões de analistas.

Os resultados da Microsoft, no geral, se enquadraram às expectativas, com o crescimento em operações com servidores e ferramentas compensando a fraqueza nas vendas do Windows para computadores.

"Os resultados parecem em geral favoráveis", disse Alex Gauna, analista da JMP Securities. "Por enquanto, pelo que vemos na tecnologia, parecemos ter deixado para trás o mau momento, e as coisas parecem a caminho de melhorar. Passamos pelo pior em termos de eliminação de estoques excessivos e estamos diante de um panorama de demanda melhor".

Microsoft, IBM e Intel têm capitalização de mercado combinada de cerca de 580 bilhões de dólares, o que representa 15 por cento do índice industrial médio Dow Jones.

O único ponto negativo do mundo da tecnologia na quinta-feira foi o Google, cujos resultados trimestrais ficaram bem aquém das expectativas otimistas causadas pelo forte desempenho do varejo online na temporada de festas de fim de ano, o que resultou em queda de 9 por cento nas ações da companhia.

"As expectativas quanto ao Google eram exageradas, em larga medida porque os investidores não percebem bem o que acontece fora dos Estados Unidos", disse Jordan Rohan, analista da Stifel Nicolaus. "A América do Norte manteve a força, mas existem partes do mundo nas quais há forte pressão econômica", acrescentou, mencionando como exemplo as medidas de austeridade europeias.

(Por Sinead Carew)