Amazon alerta para possível prejuízo no 1o trimestre

terça-feira, 31 de janeiro de 2012 20:36 BRST
 

SAN FRANCISCO, 31 Jan (Reuters) - As ações da Amazon.com caíram depois que a maior varejista da Internet afirmou que pode perder dinheiro no primeiro trimestre, um sinal de que a companhia continua com gastos pesados em expansão e novos empreendimentos.

A varejista online cresceu pelo menos duas vezes mais rápido do que o setor de comércio eletrônico nos últimos anos. Para manter esse passo, a companhia está expandindo para novas categorias de produtos e regiões, investindo fortemente no crescimento e afetando suas margens de lucro.

As perspectivas da Amazon para o primeiro trimestre sugerem que a companhia deve continuar com investimentos pesados, em detrimento do lucro de curto prazo.

"A ação da Amazon não é barata, então com qualquer tipo de desapontamento vemos uma reação muito significativa pelo mercado", afirmou o analista James Lee, do Crédit Agricole.

A expectativa do mercado é de que a Amazon lucre 426,5 milhões de dólares no primeiro trimestre de 2012, de acordo com uma pesquisa da Thomson Reuters com seis analistas. As estimativas incluem remuneração baseada em ações e outras despesas.

Para o quarto trimestre, a Amazon afirmou que o lucro líquido foi de 177 milhões de dólares, ou 0,38 dólar por ação, abaixo dos 416 milhões de dólares, ou 0,91 dólar por ação, um ano antes.

A receita foi de 17,43 bilhões de dólares, alta de 35 por cento ante o quarto trimestre de 2010.

As projeções da Amazon para os resultados operacionais do primeiro trimestre vão de um prejuízo de 200 milhões de dólares a lucro de 100 milhões de dólares. Isso inclui cerca de 200 milhões de dólares em remuneração baseada em ações e outras despesas.

As expectativas da companhia para a receita no primeiro trimestre são de 12 bilhões a 13,4 bilhões de dólares. Wall Street espera, em média, 13,4 bilhões de dólares, de acordo com a Thomson Reuters I/B/E/S.

As ações da Amazon caíram 8,1 por cento, para 178,70 dólares, no after market em Nova York, repercutindo o balanço da companhia.

(Por Alistair Barr)