Exigência de conteúdo nacional para 4G não fere regras--Bernardo

quarta-feira, 14 de março de 2012 19:20 BRT
 

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA, 14 Mar (Reuters) - A exigência de conteúdo nacional no edital de licitação da faixa de frequência de 2,5 GHz -destinada para o serviço de quarta geração da telefonia móvel (4G)- não fere as regras de comércio internacional, afirmaram o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, e o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), João Rezende.

Os dois disseram, em audiência pública na Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado, que a exigência de 50 por cento de fabricação nacional de equipamentos e mais 10 por cento de desenvolvimento e pesquisa no país são necessários para incentivar a produção brasileira.

"Não achamos que isso fere as condições da OMC (Organização Mundial do Comércio)", declarou o ministro a senadores. "Se nós não adotarmos medidas para fomentar a produção e o desenvolvimento aqui, nós vamos aumentar o nosso problema nessa área de tecnologia", completou.

Rezende acompanhou Bernardo e afirmou que a questão tem sido tratada com vários ministérios e a orientação é seguir a "política traçada" de "propiciar que haja mercado para a produção de produtos nacionais para o setor de telecomunicações".

"A faixa de frequência é um bem público... nós achamos que não estamos infringindo nenhuma regra da Organização Mundial do Comércio", disse o presidente da agência reguladora a jornalistas após a audiência.

O ministro negou que algum país tenha recorrido ao órgão internacional para mediar a questão. Mas relatou ter conversado, durante uma feira de telefonia móvel em Barcelona, com a vice-presidente da Comissão Europeia, Neelie Kroes, sobre a questão, que estaria incomondando empresas estrangeiras.

"Eles estão muito incomodados", comentou Bernardo.

Segundo Rezende, a Anatel também recebeu uma carta do governo norte-americano pedindo explicações sobre os termos do edital que tratam desse tema.

"Por enquanto estão apenas pedindo explicações. Nós achamos que estamos dentro das regras corretas", disse o presidente da autarquia.

De acordo com Rezende, a previsão é que o edital seja publicado em abril e que o leilão da frequência ocorra em junho. No dia 19 de março, deve ser apresentado o plano de negócios ao Tribunal de Contas da União para que o órgão se manifeste, dentro de 30 dias, sobre o leilão e o preço mínimo.

 
O ministro das Comunicações Paulo Bernardo comparece a uma entrevista à Reuters em Brasília, 18 de outubro de 2010. A exigência de conteúdo nacional no edital de licitação da faixa de frequência de 2,5 GHz -destinada para o serviço de quarta geração da telefonia móvel (4G)- não fere as regras de comércio internacional, afirmaram o ministro e o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), João Rezende. REUTERS/Ricardo Moraes