Procon-SP suspende sites da B2W por 72 horas

quarta-feira, 14 de março de 2012 17:55 BRT
 

SÃO PAULO, 14 Mar (Reuters) - A Fundação Procon-SP anunciou nesta quarta-feira que decidiu suspender as atividades de comércio eletrônico dos sites do grupo de varejo B2W por 72 horas em todo o Estado de São Paulo, após problemas no atendimento aos consumidores registrados em 2011.

A determinação vale a partir da quinta-feira, segundo o Procon-SP, que também aplicou multa de 1,744 milhão de reais contra a companhia. Os sites envolvidos são americanas.com.br, submarino.com.br e shoptime.com.br.

Segundo o órgão de defesa do consumidor, em 2010 foram 2.224 atendimentos sobre problemas com os sites da B2W. No ano passado, o número aumentou em 180 por cento, com o registro de 6.233 atendimentos. A maioria dos problemas foi gerada por falta de entrega do produto ou defeito no item adquirido.

"Isso é um descaso, desrespeito ao consumidor. Fizemos várias tentativas chamando a empresa para o diálogo no Procon, mas o problema não foi resolvido", afirmou em comunicado o diretor executivo da Fundação Procon-SP, Paulo Arthur Góes.

As ações da B2W tiveram a terceira maior queda dentro do Ibovespa, índice que reúne os papéis brasileiros com maior liquidez na bolsa paulista, nesta quarta-feira, com baixa de 3,6 por cento. O Ibovespa recuou 0,2 por cento.

Em comunicado, a empresa informou que vai recorrer da decisão e da multa. A B2W disse que há uma "desproporcionalidade entre a multa, a pena e a alegada falta, correspondente a menos de 1 por cento de todas as entregas, fato que acontece em absolutamente todo o mundo e sempre decorrente de causas distintas", de acordo com o advogado da B2W Sergio Bermudes.

A companhia afirmou, ainda, que trabalhou para resolver os problemas dos clientes no final de 2010. A quantidade de reclamações no segundo semestre de 2011 foi reduzida em 27,9 por cento, em comparação com os primeiros seis meses do ano passado.

Nos dois primeiros meses de 2012, o número de reclamações caiu 71,6 por cento em relação àquele período em 2011, conforme dados divulgados pelo SINDEC, relativos à Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor - SP, citados pela B2W.

(Por Alberto Alerigi Jr. e Juliana Schincariol)