Violação de email sírio indica novo tipo de guerra de informação

sexta-feira, 16 de março de 2012 18:48 BRT
 

Por Peter Apps

LONDRES, 16 Mar (Reuters) - A divulgação de dezenas de emails reveladores do presidente Bashar el-Assad aponta para uma nova era de guerra de informações -- tenha sido ela ação dos próprios rebeldes sírios, resultado de ajuda de agências de espionagem do Ocidente ou de hackers ativistas.

O jornal britânico Guardian começou a publicar na quinta-feira os detalhes do material, que, segundo a publicação, foi interceptado secretamente por integrantes da oposição na Síria entre junho e fevereiro.

Eles pararam quando outra tentativa de ação de hackers - sem relação nenhuma com a anterior e que se acredita ser do grupo "Anonymous" -- alertou as autoridades para o fato de que o sistema estava comprometido.

Os detalhes divulgados até agora vão desde a evidência do apoio iraniano à repressão na Síria ao gasto de milhares de dólares em itens de luxo pela mulher de Assad, passando pelos dados sobre as contas dele do iTunes e os seus hábitos com relação a vídeos na Internet.

O Guardian disse ter feito várias tentativas de checar a autenticidade dos emails e acredita que a maioria (se não todos) é genuína.

A obtenção e a publicação de dados ocultos estão ficando mais fáceis, como já demonstrado pela divulgação pelo Wikileaks dos malotes diplomáticos do Departamento de Estado norte-americano e dos registros de guerra dos EUA no Iraque e no Afeganistão.

Embora a maior parte dos exemplos mais conhecidos de roubo de informações tenha ocorrido em países do Ocidente, alguns especialistas suspeitam há muito tempo que o impacto maior disso poderia se dar nos Estados autocráticos - ajudando a desestabilizar esses governos.

A guerra cibernética nos próximos anos, acreditam cada vez mais os especialistas, poderá estar relacionada à tentativa de proteger ou disseminar informações especialmente delicadas, mas também à conspiração para executar ataques cibernéticos contra a infraestrutura essencial de um país.

"Essa é a primeira vez que os insurgentes ganharam acesso às comunicações de alto nível do regime em meio a um levante", diz John Bassett, ex-oficial da agência de inteligência britânica GCHQ e agora membro do Royal United Services Institute.

"Isso poderá ser um ponto decisivo para o desenvolvimento de uma guerra cibernética."