Samsung investe para encontrar design matador

sexta-feira, 23 de março de 2012 11:41 BRT
 

Por Miyoung Kim

SEUL (Reuters) - Quando a Samsung Electronics se apressou a levar seu primeiro celular inteligente ao mercado, com medo do sucesso conquistado pelo Apple iPhone, alguns consumidores queimaram o produto ou o destruíram a marteladas em praça pública, para expressar sua insatisfação.

As queixas variavam de quedas de ligações a uma tela sensível a toques deficiente, e passavam por excesso de desligamentos imprevistos e falta de aplicativos.

"Era horrível", diz Kim Sang-uk, 27, que comprou o Omnia no final de 2009, antes de começar em seu primeiro emprego. "Queria jogá-lo fora, mas, porque tinha contrato de dois anos com a operadora, não podia. Era o tipo de celular ao qual você diz 'não' mesmo que alguém o ofereça de graça."

JK Shin, presidente da Samsung Mobile, admite que foi um período difícil. A companhia viu seu lucro de 1 trilhão de won (885 milhões de dólares) no segmento de telecomunicações, no primeiro trimestre de 2010, reduzido à metade no trimestre seguinte, quando um novo modelo do iPhone tomou o mercado.

"Estávamos enfrentando uma crise realmente séria", disse Shin posteriormente.

SABONETE VS. PERFUME

Mas no 9o andar da sede da Samsung Electronics, em Seul, que abriga o centro de design da divisão de aparelhos móveis, Lee Minhyouk diz que não sentiu a pressão. O vice-presidente de design da Samsung Mobile e sua equipe já estavam trabalhando em um novo projeto, o Galaxy, e ele seria um rival digno do iPhone.

A Samsung vendeu 44 milhões de unidades do Galaxy desde seu lançamento, em junho de 2010, e no ano passado ultrapassou a Apple para se tornar a líder mundial em vendas de celulares inteligentes. O sucesso começou com o Omnia, diz Lee, 40, o mais jovem dos executivos de primeiro escalão da companhia.   Continuação...