Austrália mantém decisão de excluir Huawei de concorrências

quinta-feira, 29 de março de 2012 10:39 BRT
 

CAMBERRA, 29 Mar (Reuters) - A primeira-ministra da Austrália, Julia Gillard, aprovou a decisão de proibir a fabricante chinesa Huawei de concorrer a grandes contratos do governo, mesmo depois de Pequim ter se mostrado preocupada com o tratamento às empresas do país.

A Austrália proibiu a fabricante de equipamentos para telecomunicação de participar das concorrências para a criação da rede australiana de banda larga de alta velocidade (NBN, em inglês), um projeto de 38 bilhões de dólares, devido a preocupações de segurança não especificadas.

Gillard disse a jornalistas que manterá a decisão, que segundo ela não contraria as regras do comércio internacional; a premiê mencionou as regras que a própria China impõe para investimento no setor de telecomunicações.

"Tomamos decisões em defesa do interesse nacional. Tomamos decisões que é nosso direito tomar", disse Gillard. "Qualquer acusação de que elas representam violação das normas comerciais simplesmente não procede", afirmou.

"Sei que a China mesma tem posições estabelecidas quanto ao seu setor de telecomunicações e ao ingresso de estrangeiros, além de adotar uma abordagem especial quanto a permitir investimento estrangeiro nessa área", disse.

A Huawei negou que seja um risco de segurança tecnológica e afirmou que ainda tem esperança de conquistar contratos relacionados à NBN.

Na quarta-feira, o Ministério do Exterior chinês pediu ao governo australiano que concedesse acesso justo de mercado às companhias da China.

"Esperamos que as autoridades australianas ofereçam às companhias chinesas um ambiente de mercado justo e livre de discriminação, em vez de obstruírem as operações normais de empresas chinesas na Austrália em nome de uma suposta segurança", disse o porta-voz do ministério, Hong Lei.

O secretário do Tesouro australiano, Wayne Swan, declarou a repórteres na quarta-feira que o problema com a Huawei não prejudicaria as relações com o maior parceiro comercial do país.   Continuação...